Publicidade

Estado de Minas

PT quer mais adeptos a greve de fome pela liberdade de Lula

Representantes de movimentos sociais deram início, em Brasília, a jejum por tempo indeterminado. Partido vai propor apoio à iniciativa no lançamento da candidatura do ex-presidente


postado em 30/07/2018 18:23 / atualizado em 30/07/2018 18:54

Greve começou por iniciativa da Via Campesina. Manifestantes querem que STF discuta pautas que podem interferir no processo de Lula(foto: Neudicleia Neres de Oliveira/Divulgação)
Greve começou por iniciativa da Via Campesina. Manifestantes querem que STF discuta pautas que podem interferir no processo de Lula (foto: Neudicleia Neres de Oliveira/Divulgação)

O PT pretende que a greve de fome iniciada por representantes de movimentos sociais nesta segunda-feira, em Brasília, ganhe mais adeptos. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o partido quer convocar um jejum nacional para dia 4, quando ocorre convenção que vai oficializar a candidatura presidencial de Lula.

O ato será em solidariedade à greve de fome que começou às 15h desta segunda-feira e continuará por tempo indeterminado. Por enquanto, seis pessoas participam do manifesto, organizado pela Via Campesina, organização ligada a camponeses.

“Queremos que a Cármen Lúcia (presidente do Supremo Tribunal Federal) crie vergonha, porque ela foi indicada para respeitar a Constituição. Há uma ação direta de constitucionalidade do PCB que pede consulta para saber se uma pessoa pode ser presa sem que sejam julgados todos os recursos e outro recurso da OAB sobre presunção de inocência”, afirma o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stedile, um dos integrantes do grupo.

Segundo ele, se os recursos entrarem na pauta do STF, os manifestantes encerram a greve de fome. Todos os dias, eles darão “Bom dia” ao ex-presidente Lula, por meio das redes sociais. A saudação será retransmitida pelo grupo que faz vigília em frente a cela em que o petista está preso, na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. “É para o companheiro Lula ouvir a voz dos manifestantes”, diz.

 

A proposta também é que os alimentos que os adeptps ao manifesto deixem de comer sejam doados no combate à fome.O ex-presidente Lula foi preso em abril, em investigação da Operação Lava-Jato. O político recebeu pena de 12 anos e 1 mês de prisão, em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso que envolveu um tripléx no Guarujá (SP).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade