Publicidade

Estado de Minas

Haddad: não alienaria ações de uma empresa estratégica como a Embraer


postado em 29/07/2018 16:12

São Paulo, 29 - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, coordenador de programa de governo do Partido dos Trabalhadores (PT), criticou neste domingo, 29, a política econômica do governo de Michel Temer e ressaltou que o teto que limita a alta dos gastos públicos "amarra o desenvolvimento nacional". Ele criticou ainda a mudança das regras do pré-sal e a operação de venda da Embraer, segundo ele, todas medidas sem discussão com a sociedade.

"No caso da Embraer, não estou dizendo que está certo ou errado, não sou especialista. Eu a rigor não alienaria ações de uma empresa estratégica como a Embraer", disse ele, ressaltando que os termos do acordo não são conhecidos. "A Embraer é um investimento de décadas dos brasileiros", disse durante sabatina no evento Conhecer - Eleições Presidenciais, realizado neste domingo na Casa de Portugal, na capital paulista.

"Espero que eles não sejam bem sucedidos nos leilões que estão fazendo", disse o petista ao falar do pré-sal. "Defendo que a questão do pré-sal seja objeto de plebiscito."

Haddad disse durante o evento que o erro após a reeleição da presidente Dilma Rousseff foi que ela tomou uma "decisão de política econômica equivocada". Haddad afirmou que houve naquele momento a escolha de "um ministro da Fazenda que expressava uma ruptura com o que tinha acontecido nos últimos anos", disse ele, se referindo a Joaquim Levy, mas sem mencionar seu nome. Haddad ressaltou que não tem nada contra ajustes, e o próprio PT teve que fazer um em 2013, mas o conduzido por Levy em 2015 foi "em dose de veneno".

Para Haddad, a oposição se valeu dessa decisão de Dilma para aprovar uma "pauta bomba" que acabou fragilizando ainda mais a economia e o governo. "Foi um erro de escolha com uma sabotagem política que o Eduardo Cunha e Aécio Neves produziram", disse ele, falando do então presidente da Câmara e do senador tucano.

"Temos que tentar construir uma agenda de Estado que independa do resultado eleitoral", disse ele. "Temos que ter compromisso primeiro com a democracia", disse ele, destacando que o governo de Michel Temer fez uma série de mudanças sem discutir com a sociedade.

Haddad tem nesta segunda-feira encontro com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. Segundo o ex-prefeito, ele tem tido uma série de reuniões com o setor financeiro e deve ter reunião com a Febraban. "Tenho tido conversas com autoridades para me apropriar de dados da situação do País", afirmou a jornalistas.

Perguntado se uma candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva teria aceitação nos meios financeiros, Haddad respondeu que "não vê motivos para não ser aceita".

(Altamiro Silva Junior)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade