Publicidade

Estado de Minas

Governo federal quer cancelar R$ 51 milhões para a duplicação da BR-381

Com justificativa de falta de recursos para áreas como educação e saúde, Palácio do Planalto envia projeto retirando montante da duplicação. Obras podem ser novamente paralisadas nas próximas semanas.


postado em 27/06/2018 09:38 / atualizado em 27/06/2018 10:34

Túneis construídos em Antônio Dias ficaram sem conexão com a rodovia. (foto: Gladyston Rodrigues. EM/DA Press)
Túneis construídos em Antônio Dias ficaram sem conexão com a rodovia. (foto: Gladyston Rodrigues. EM/DA Press)
O governo federal enviou nesta terça-feira (26) um pedido para retirar R$ 51.591.952 reais da verba destinada para a duplicação da BR-381, a chamada Rodovia da Morte, entre Belo Horizonte e Governador Valadares.

Caso o cancelamento da verba seja confirmado no Congresso Nacional, a obra, que já anda em ritmo lento, pode ser completamente paralisada, sem nenhum quilômetro duplicado entregue.
 
Por meio de um projeto de lei de autoria do presidente Michel Temer (MDB), o pedido de cancelamento da verba usa como argumento a necessidade de remanejar recursos para as áreas de saúde e educação.

Do montante inicialmente previsto para a obra no orçamento de 2018 (R$ 228 milhões), pouco mais da metade já havia sido empenhado (R$ 132 milhões), sendo que até junho, apenas R$ 22 milhões foram efetivamente pagos.

Movimentos que acompanham a obra alertam para a possibilidade de paralisação total das obras. A duplicação começou a sair do papel em 2014 e já foi gasto mais de meio bilhão de reais sem que nenhum trecho duplicado tenha sido entregue aos motoristas. 

“A obra já não vinha sendo tratada como prioridade pelo governo federal e agora pode paralisar completamente. Precisávamos de mais recursos para manter o ritmo das obras e aconteceu exatamente o contrário. Com o montante que sobra no orçamento do ano podemos ter a paralisação já no mês que vem”, explica Claudio Veras, do Movimento Nova 381.

 

'Retaliação a Minas' 

 

Coordenador da bancada mineira na Câmara, o deputado Fábio Ramalho (MDB) avaliou que a medida é uma retaliação do governo a Minas Gerais e considera um absurdo a justificativa usada para cancelar o montante. 

 

"O projeto chegou para nós ontem (terça-feira) e fui logo no DNIT questionar esse corte. Não existe esse papo de que não tem dinheiro. Minas Gerais tem apenas uma obra em andamento no estado inteiro e agora eles querem tirar esse recurso. O estado está sendo retaliado, mas vamos fazer pressão para impedir esse corte", afirmou Ramalho. 

 

Segundo Ramalho, integrantes da bancada vão tentar barrar o corte dos R$ 51 milhões  na Comissão de Orçamento, apresentando um requerimento para retirar a BR-381 da lista de obras com repasses cancelados. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade