Publicidade

Estado de Minas

Alckmin diz que apoio de Temer seria honroso, mas lembra que MDB tem candidato


postado em 18/06/2018 12:06

São Paulo, 18 - O pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, declarou nesta segunda-feira, 18, que um apoio do presidente Michel Temer e seu partido, o MDB, à sua candidatura seria "extremamente honroso e importante" nestas eleições. O tucano, no entanto, ressaltou que a legenda também tem candidato e que seria "indelicado" falar em alianças nesse momento.

"Apoio (de Temer seria) extremamente honroso e importante. Agora, o partido do presidente tem candidato, que é o dr. Meirelles", disse Alckmin, que participou pela manhã de um encontro no Instituto de Engenharia, na capital paulista.

Questionado se o apoio do MDB seria bem-vindo caso a candidatura do ex-ministro Henrique Meirelles seja retirada, o ex-governador disse preferir não avaliar "hipóteses". "Seria até indelicado", comentou.

Segundo apurou o jornal

O Estado de S. Paulo

, Temer foi cobrado por empresários e banqueiros, na ultima sexta-feira, 15, a oferecer um apoio mais incisivo a Alckmin. O tucano era o candidato preferido entre os presentes ao jantar oferecido por Rubens Ometto, dono do grupo Cosan, mas ainda patina nas pesquisas. Segundo pessoas presentes no encontro, Temer teria se comprometido a se empenhar para unir o centrão em torno do ex-governador.

O próprio Alckmin, no entanto, tem dado indicações dúbias sobre como lidaria com um apoio emedebista. Em entrevista à radio Eldorado na ultima sexta-feira, Alckmin repetiu que não conversa com partido que tenham candidato nesse momento e afirmou que não pretende defender o legado do atual governo.

Pesquisa

Questionado sobre uma pesquisa interna do PSDB que teria mostrado que parte do eleitorado paulista ainda não tem confiança de que realmente será candidato à Presidência, Alckmin disse desconhecer o levantamento. "Agora, se for verdade, é uma boa notícia, porque como vamos ser candidatos, então vai crescer muito (a intenção de voto)", comentou.

(Marcelo Osakabe)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade