Publicidade

Estado de Minas

Prefeito, vice-prefeito e vereadores são presos por corrupção, na Paraíba

A justiça decretou o afastamento cautelar do cargo de 85 servidores públicos. Segundo a PF, várias autoridades registraram aumento patrimonial espantoso


postado em 03/04/2018 08:39 / atualizado em 03/04/2018 09:08

(foto: Agência Brasil)
(foto: Agência Brasil)

Uma operação da Polícia Federal (PF) mira, nesta terça-feira (3/4), a cúpula política da cidade de Cabedelo (PB) por corrupção na administração pública. Entre os investigados estão o prefeito de Cabedelo, Leto Viana (PRP), o vice-prefeito e mais cinco vereadores, que foram presos na Operação Xeque-Mate. Segundo a PF, os crimes ocorreram no âmbito dos poderes executivo e legislativo municipal.

Cerca de 200 agentes foram às ruas para cumprir 11 mandados de prisão preventiva, 15 sequestros de imóveis e 36 de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça da Paraíba. A ação da PF ocorre em conjunto com o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do MInistério Público da Paraíba (MPPB).

A justiça decretou o afastamento cautelar do cargo de 85 servidores públicos, entre eles o prefeito e o vice-prefeito de Cabedelo, e o presidente da Câmara Municipal.

Segundo a PF, a investigação comprova a participação das principais autoridades públicas do município que se beneficiavam do esquema de diversas formas. Muitas tiveram patrimônio aumentado de forma espantosa, segundo o órgão. "Somente na aquisição de imóveis nos últimos cinco anos, verificou-se que um agente político envolvido movimentou mais de 10 milhões de reais à margem do sistema financeiro oficial", explicou a  PF em nota.

O Ministério Público afirma que foram verificadas movimentações financeiras dos principais investigados em valores absolutamente incompatíveis com seus ganhos declarados. "O que reforça a manipulação de recursos de origem ilícita em detrimento da Câmara e município de Cabedelo."

Corrupção comandada pelo prefeito

Segundo o MPPB, dois núcleos principais de atuação da organização criminosa foram identificados ao longo da investigação: a Prefeitura Municipal e a Câmara de Vereadores. No entanto, os dois órgãos públicos estavam ligados "a uma sólida cadeia de comando, encabeçada pelo prefeito do município".

Funcionários fantasmas da prefeitura e da Câmara Municipal recebiam salários de até R$ 20 mil. A maior parte dos valores, segundo a Operação Xeque-Mate, era entregue para as autoridades e os 'fantasmas' ainda ficavam com valores residuais. Há ainda o registro de pagamento de doações fraudulentas de imóveis do patrimônio público municipal, "bem localizados e de alto valor, para empresários locais sem que houvesse critérios objetivos para a escolha do beneficiado."

A investigação identificou ainda outras irregularidades na Prefeitura Municipal como a compra do mandato de prefeito, fraudes a licitações. Já na Câmara de Vereadores, o MPPB identificou fraudes na contratação de terceirizados, desvio de dinheiro público destinado ao pagamento de assessores fantasmas, empréstimos fraudulentos em nome de servidores e recebimento de propina para aprovação ou rejeição de projetos de lei.

Site recebe denúncias de corrupção na cidade

O Ministério Público da Paraíba divulgou um site para que as pessoas possam enviar, com identificação ou de forma anônima, denúncias sobre os crimes praticados pela cúpula política de Cabedelo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade