Publicidade

Estado de Minas

Newton Cardoso chama MDB de 'podre' e diz preferir Bolsonaro a Temer

Durante as comemorações dos 52 anos do partido, a bancada propôs que o MDB tenha candidatos ao governo e ao Senado. Adalclever e Josué Alencar são os nomes cotados


postado em 26/03/2018 12:17 / atualizado em 26/03/2018 13:02

Newton Cardoso também lançou o nome de Adalclever Lopes para o governo(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press.)
Newton Cardoso também lançou o nome de Adalclever Lopes para o governo (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press.)

O ex-governador Newton Cardoso (MDB) desdenhou do eventual apoio do presidente Michel Temer ao partido em Minas Gerais e afirmou preferir votar no deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) do que no companheiro de partido. Ao participar das comemorações dos 52 anos do partido na Assembleia Legislativa na manhã desta segunda-feira (26), ele disse que a parte boa da legenda é a mineira.  "Minas não faz parte dessa vergonha nacional", disse.

“O MDB nacional está podre, podre, podre. Prefiro votar no Bolsonaro a votar no Temer. Porque eu tenho que ter vergonha na cara”, disse. Questionado sobre quem seria a parte podre da legenda, Newtão disse que a imprensa sabia. “Quem é que salva lá? Não salva ninguém”, disse.

 

Newton Cardoso disse que usaria evento para lançar o nome do presidente da Casa, Adalclever Lopes, para o governo de Minas Gerais, mas foi reprimido pela bancada e pelo senador Roberto Requião. Segundo ele, o parlamentar é uma liderança “emergente” do partido que, nacionalmente, está “podre”.

“Vou lançar ele para governador hoje porque tem todos os méritos, tem capacidade, honestidade, não tem Lava-Jato. A parte boa do MDB nacional está em Minas Gerais, o resto está podre”, afirmou. Cardoso disse que o nome de Adalclever tem unanimidade no partido e informou que vai conduzir o processo.

O ex-governador informou que vai almoçar com o governador Fernando Pimentel (PT) nesta terça-feira (20) e pedir o apoio do PT ao partido. “Nós ajudamos o PT duas vezes. Agora, é a vez do Lula ajudar o Adalclever”, disse.

Sobre o empresário Josué Alencar, também cotado para disputar o governo de Minas, Newton Cardoso disse que o empresário “não tem a coragem do pai para enfrentar palanque”, se referindo ao ex-presidente José Alencar. “(Josué) é um grande empresário, mas não gosta de ficar pedindo voto”, disse.

Candidato próprio ao governo e senado

Se Newton Cardoso focou no nome de Adalclever, a bancada como um todo propôs ao MDB nacional ter candidatos ao governo e ao Senado. Os nomes serão escolhidos entre Adalcever e o empresário Josué Alenca, dependendo do que mostrarem as pesquisas eleitorais. “O partido tem dois nomes para disputar o governo de Minas e não tenho a menor dúvida que vou voltar a Minas Gerais para a posse do novo governador emedebista”, disse o senador Roberto Requião, que participou do evento.

O líder da Maioria na Assembleia, Tadeu Martins Leite, disse que o MDB inciou ontem a mobilização pelas candidaturas. “Quando o MDB se posiciona o cenário se altera e, a partir de hoje, dessa comemoração dos 52 anos do MDB com toda essa grande reunião, posso dizer que desta solenidade sairá o próximo governador e o próximo senador da República por Minas Gerais”, disse.

 
Em discurso, Josué Alencar disse ter convicção que continuará marchando junto com Adalclever e ressaltou o papel dele à frente da Assembleia. Adalclever retribuiu e disse que o partido não abre mão de Josué “na próxima candidatura ao que for necessário a Minas e ao Brasil”.


Publicidade