Publicidade

Estado de Minas

'Judiciário tem um débito enorme com a sociedade', diz Cármen Lúcia

Presidente do STF fez as declarações em visita a Goiás. Em Formosa, a ministra inaugurou o novo presídio do estado


postado em 09/02/2018 16:37 / atualizado em 09/02/2018 16:46

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça(CNJ), ministra Cármen Lúcia(foto: Luiz Silveira/Agência CNJ)
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça(CNJ), ministra Cármen Lúcia (foto: Luiz Silveira/Agência CNJ)

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), afirmou que o "Judiciário tem um débito enorme com a sociedade". As declarações foram realizadas em visita ao estado de Goiás, nesta sexta-feira (9/2). Além de Goiânia, ela visitou a cidade de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, para a inauguração de um presídio. 

Cármen Lúcia volta a Goiás um mês após a primeira visita, que ocorreu depois de uma rebelião que deixou nove mortos no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. "O cidadão brasileiro está cansado da ineficiência de nós todos, inclusive nós do poder Judiciário, que, por mais que tentemos, e tenho certeza estamos tentando, temos sempre um débito enorme com a sociedade. Esperamos que a gente dê uma resposta a isso. Acho que neste momento é o que estamos tentando demonstrar", destacou a ministra.

Obra de R$ 19 milhões
 
A Cadeia Estadual de Formosa tem capacidade para 300 detentos e custou R$ 19 milhões aos cofres públicos. Com 6 mil metros quadrados, a unidade prisional é composta por dois pavilhões. Cada cela tem espaço para oito presos, sendo que quatro cubículos são destinados aos internos em situação de isolamento. Além de salas de aulas, foram construídos espaços para atendimento psicológico e espiritual. 

Durante a visita, a ministra assistiu à destruição de 3 mil armas pelo Comando de Operações Especiais do Exército. A destruição de revólveres, pistolas e fuzis ocorre para evitar que sejam utilizadas pelo crime organizado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade