Publicidade

Estado de Minas

Lula promete 'lutar até o fim' para manter candidatura ao Palácio do Planalto

Momentos depois do resultado do TRF, ex-presidente fez um discurso acalorado em São Paulo e desafiou os juízes do tribunal a apresentarem provas para sua condenação


postado em 24/01/2018 20:45 / atualizado em 24/01/2018 23:34

(foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP )
(foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP )
Em discurso na Praça da República, em São Paulo, horas depois de ter sua pena aumentada pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal (TRF) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou a decisão da corte e cobrou a apresentação de provas para sua condenação. O petista afirmou que está "cada vez mais disposto" a se candidatar à presidência da República e que vai “lutar até o fim para mostrar sua inocência”.

“Hoje falaram dez horas seguidas, leram não sei quantas páginas, mas não mostraram um só crime que cometi”, afirmou Lula. Segundo ele, a decisão do tribunal é parte de um movimento para a retirada de direitos do povo brasileiro que teria começado no impeachment do governo da ex-presidente Dilma Roussef (PT).

O ex-presidente pediu para que os manifestantes que foram às ruas apoiá-lo nesta quarta-feira (24) mantivessem a mobilização política para evitar que o governo Michel Temer (MDB) “continue retirando conquistas históricas do povo brasileiro”.

Em seu discurso ele citou o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, e do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, um dos participantes da Inconfidência Mineira.

“Não quero que se preocupem comigo. Precisamos nos preocupar é com as vagas para o ProUni que estão diminuindo, com a massa salarial dos trabalhadores que está diminuindo, com nossos direitos conquistados há anos que estão diminuindo. Quem está no banco dos réus é o Lula, mas quem já foi condenado é o povo brasileiro”, disse o petista.

Em tom desafiador, o ex-presidente Lula cobrou a apresentação de provas de que seria o dono do apartamento triplex no Guarujá e atacou o Ministério Público e o juiz Sérgio Moro.

“Se eu cometi um crime, me mostrem esse crime que eu desisto da candidatura. Já desafiei a Polícia Federal, já tinha desafiado o Moro, já tinha desafiado o MP. Agora estou desafiando os três juízes que me condenaram hoje”, afirmou Lula.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade