Publicidade

Estado de Minas

Maia reitera crítica ao Bolsa Família e diz que programa precisa 'ir além'

Presidente da Câmara dos Deputados voltou a fazer, em postagem em uma rede social, críticas ao programa social


postado em 18/01/2018 18:18 / atualizado em 18/01/2018 18:32

(foto: Alex Ferreira/Camara dos Deputados )
(foto: Alex Ferreira/Camara dos Deputados )

Após ter sofrido críticas por declarar que o Bolsa Família "escraviza" seus beneficiários, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), usou sua conta oficial no Facebook para esclarecer tal entendimento e também defender mudanças nas regras do programa social.

Na publicação na rede social, o parlamentar evitou o termo que provocou a polêmica, mas manteve a avaliação de que é necessário oferecer uma "porta de saída" às famílias que recebem os recursos assistenciais.

"Eu acredito, sim, que o Bolsa Família paralisa as famílias. Ninguém quer passar uma vida dependendo do governo. O Bolsa Família é um programa importante na medida em que atende aos que estão em situação de emergência e necessidade, mas é deficiente quando não cria formas dessas famílias deixarem de ser dependentes", escreveu o deputado fluminense.

Maia argumenta que, da maneira como o Bolsa Família está estruturado, o programa não promove mobilidade social. "Isso é um fato, pois ele só cresce. O Bolsa Família tem como princípio fazer a gestão diária da pobreza e não superar a pobreza."

O presidente da Câmara avalia que o programa de transferência de renda é "fundamental para garantir uma dignidade social mínima", mas que é preciso ir além. "Afinal, o que queremos para o Brasil, comemorar os 50 milhões de brasileiros vivendo do Bolsa Família ou superar de vez a pobreza? É nesta direção que penso que o Brasil deve caminhar", afirmou Maia.

Ontem, Maia admitiu que pode disputar a sucessão presidencial, caso haja uma melhora de seu desempenho em pesquisas de intenção de voto. "Hoje não, eu tenho 1% nas pesquisas. No dia em que eu tiver 7%, as coisas melhoram muito", declarou o parlamentar, após ser questionado sobre uma eventual candidatura.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade