UAI
Publicidade

Estado de Minas

Servidores da saúde de Minas entram em greve pelo não pagamento do 13º

Em assembleia realizada nesta manhã, os funcionários do estado optaram pela greve e criticaram a escala que o governo do estado fez para os agentes da segurança pública


postado em 18/12/2017 12:50 / atualizado em 18/12/2017 13:08

Na última semana, servidores paralisaram atividades e cobraram um posicionamento do Governo de Minas em frente ao Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em BH(foto: Paulo Filgueiras/ EM D.A Press )
Na última semana, servidores paralisaram atividades e cobraram um posicionamento do Governo de Minas em frente ao Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em BH (foto: Paulo Filgueiras/ EM D.A Press )
Servidores da saúde estadual anunciaram una greve na manhã desta segunda-feira. A acetgoria cobra do governo de Mina o pagamento do décimo terceiro e o fim dos atrasos e escalonamento de salários que ocorrem desde 2016.

A greve foi iniciada após uma assembleia ocorrida nesta manhã e convocada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores de Saúde de Minas Gerais (SindSaúde/MG). Na reunião, os servidores optaram pela greve, alegando que a saúde pública foi colocada em segundo plano pelo governo, que priorizou os pagamento dos benefícios somente para os policiais militares, civis, bombeiros e agentes penitenciários. 

Após a assembleia, ocorrida no prédio da Hemominas na Alameda Ezequiel Dias, na área hospitalar da capital, os servidores saíram em protesto até Praça Sete, na Avenida Afonso Pena. O fluxo de veículos chegou a ser impedido por volta de 12h, mas, segundo a BHTrans, o trânsito foi liberado cerca de 20 minutos depois. 

Outros atos, segundo o SindSaúde, estão programados e devem ocorrer durante a greve. Os servidores vão realizar assembleias diárias para discutirem as propostas que serão enviadas pelo Secretaria de Estado e Fazenda de Minas Gerais. As paralisações no serviço afetam, conforme o sindicado, o atendimento na Hemominas,  Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) e  Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Educação 

 
O governador Fernando Pimentel (PT) vai enfrentar novo protesto de servidores públicos nesta segunda-feira (18). Depois do ato dos policiais militares na Praça Sete na sexta-feira (15), os profissionais da educação marcaram para as 17h de hoje um ato na Assembleia para cobrar o pagamento do 13º para os demais servidores públicos.

Na sexta-feira, o governo anunciou as datas de pagamento do benefício natalino somente para os profissionais da segurança pública. A medida irritou ainda mais os sindicatos de outras categorias, que já vinham cobrando uma definição. A presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-Ute), Beatriz Cerqueira, considerou “desastrosa” a posição do governo de “ excluir do anúncio do pagamento do 13º salário 90% do funcionalismo”. 

Ela citou entrevista do secretário de Planejamento, Helvécio Magalhães, ao Estado de Minas, no qual ele admite que o 13º não deve sair este ano para o restante do funcionalismo. “Se tem recursos para o pagamento, o mesmo deve ser feito para todo o funcionalismo e não estabelecer privilégio”, diz em nota o Sind-Ute. O sindicato reclama que nenhuma reunião com os sindicatos para tratar do assunto foi marcada. 

O sindicato dos auditores fiscais (Sindifisco) também cobrou tratamento isonômico com os servidores militares. O órgão está estudando medidas judiciais contra o governo. 
 
A Secretaria de Estado e Fazenda de Minas Gerais foi procurada pela reportagem do em.com.br, mas ainda não se posicionou. Quando isso ocorrer, esta matéria será atualizada.  

* Sob supervisão da subeditora Jociane Morais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade