Publicidade

Estado de Minas

STF revoga prisão domiciliar de irmã e primo de Aécio Neves

A decisão foi tornada pública nesta quinta-feira, mas está valendo desde o último sábado (2)


postado em 07/12/2017 09:49 / atualizado em 07/12/2017 10:58

O Supremo Tribunal Federal tornou pública na manhã desta quinta-feira a revogação da prisão domiciliar da jornalista Andrea Neves e de Frederico Pacheco, irmã e primo do senador Aécio Neves (PSDB/MG).

A decisão foi tomada no último sábado (2) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF),  Marco Aurélio.

O ministro também estendeu a decisão ao ex-assessor parlamentar do senador Zezé  Perrela (PMDB/MG), Menderhson Lima.

Os três foram denunciados juntamente com Aécio Neves por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e tentativa de obstruir investigações.

O inquérito é decorrente da delação premiada do empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Além de não ficarem mais presos em casa, os três tiveram revogadas todas as outras medidas cautelares que pesavam sobre eles, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica, a proibição de deixar o país e de se comunicar com outros investigados.

Marco Aurélio atendeu a pedidos feitos pelas defesas de Mendherson e Frederico Pacheco, que alegaram duração exagerada das medidas cautelares, mesmo após a apresentação de denúncia contra eles. O ministro estendeu sua decisão, liberando também Andréa Neves.

Inquérito


O inquérito apura o pedido, feito por Aécio Neves a Joesley Batista, de R$ 2 milhões para pagar advogados. Para a procuradoria-geral da República, o dinheiro teria sido solicitado em troca de atuação política a favor da JBS. O senador nega e diz não haver ilegalidade, tratando-se de um empréstimo pessoal.

Andrea, Mendherson e Frederico Pacheco seriam intermediários no esquema. Os três chegaram a ser presos em regime fechado, mas estavam em prisão domiciliar desde junho.

Aécio Neves também foi alvo de medidas cautelares, como o recolhimento noturno, impostas pela Primeira Turma do STF, em decorrência do mesmo inquérito, mas as cautelares contra o senador foram depois revertidas pelo plenário do Senado. (com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade