Publicidade

Estado de Minas

Ba­ta­lha ju­di­ci­al tra­va mais de 700 pa­ga­men­tos em Minas

Des­de que foi cri­a­da, há du­as se­ma­nas, Ou­vi­do­ria dos Al­va­rás da OAB re­gis­tra cen­te­nas de re­cla­ma­çõ­es de ad­vo­ga­dos que não con­se­guem re­ce­ber re­cur­sos de exe­cu­ção de sen­ten­ça


postado em 28/03/2017 06:00 / atualizado em 28/03/2017 07:25

Duas se­ma­nas de­pois de cria­da pe­la se­ção mi­nei­ra da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB), a Ou­vi­do­ria dos Al­va­rás já con­ta­bi­li­za mais de 700 re­cla­ma­ções de pro­fis­sio­nais que não con­se­guem re­ce­ber os re­cur­sos de­ter­mi­na­dos pe­la Jus­ti­ça na exe­cu­ção de uma sen­ten­ça.

O cha­ma­do al­va­rá ju­di­cial é um do­cu­men­to que per­mi­te à par­te sa­car o va­lor nas con­tas sob res­pon­sa­bi­li­da­de do Ban­co do Bra­sil. A ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra tem ne­ga­do os pa­ga­men­tos com a jus­ti­fi­ca­ti­va de que não há re­cur­sos em cai­xa, e cul­pa o go­ver­no mi­nei­ro por ter gas­ta­do o di­nhei­ro com o aval da Lei 21.720/15.

Ba­sea­do nos da­dos da Ou­vi­do­ria, a OAB en­ca­mi­nha­rá um re­la­to de to­dos os ca­sos re­ce­bi­dos pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) – on­de tra­mi­ta uma ação en­vol­ven­do o Ban­co do Bra­sil e o Exe­cu­ti­vo mi­nei­ro.

O do­cu­men­to se­rá en­tre­gue ao mi­nis­tro Cel­so de Me­llo, re­la­tor da ação, “pa­ra que ele te­nha a exa­ta di­men­são da re­per­cus­são e da im­por­tân­cia do pro­ble­ma pa­ra os ad­vo­ga­dos e ju­ris­di­cio­na­dos mi­nei­ros e de­ci­da, em fun­ção dis­so, com a má­xi­ma ur­gên­cia pos­sí­vel”.

A po­lê­mi­ca co­me­çou em de­zem­bro de 2016, quan­do o Ban­co do Bra­sil te­ria sus­pen­di­do o pa­ga­men­to dos al­va­rás e co­mu­ni­ca­do ao Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de Mi­nas Ge­rais (TJMG) e ao go­ver­no es­ta­dual que não ha­via mais re­cur­sos dis­po­ní­veis pa­ra pa­ga­men­tos de va­lo­res de­po­si­ta­dos em con­tas ju­di­ciais até 2015.

A ale­ga­ção do BB é que, so­men­te em 2015, o Exe­cu­ti­vo che­gou a sa­car R$ 5 bi­lhões pa­ra o pa­ga­men­to de des­pe­sas. Em de­ci­são li­mi­nar, o STF sus­pen­deu a vi­gên­cia da lei mi­nei­ra e proi­biu o es­ta­do de rea­li­zar no­vas re­ti­ra­das.

A Lei 21.720/15 au­to­ri­zou o go­ver­no a usar 70% do sal­do man­ti­do no BB re­fe­ren­te a de­pó­si­to ju­di­cial, de­ven­do os ou­tros 30% se­rem man­ti­dos em con­ta pa­ra sal­dar sa­ques au­to­ri­za­dos pe­la Jus­ti­ça. No en­tan­to, a ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra ale­ga que, en­tre 2015 e 2016, es­se mon­tan­te já foi con­su­mi­do com al­va­rás ju­di­ciais.

O go­ver­no, por sua vez, con­tes­ta: ar­gu­men­ta que o Ban­co do Bra­sil se­pa­rou em ou­tra con­ta o di­nhei­ro re­fe­ren­te a pro­ces­sos pos­te­rio­res a 2015 – e por is­so, o di­nhei­ro te­ria aca­ba­do. Ain­da acu­sa o ban­co de ar­ti­ma­nhas con­tá­beis pa­ra não fa­zer os pa­ga­men­tos.

No meio des­se im­bró­glio há ações tra­mi­tan­do na Jus­ti­ça mi­nei­ra e no STF. No Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, o go­ver­no con­se­guiu uma li­mi­nar pa­ra que o Ban­co do Bra­sil fos­se obri­ga­do a cus­tear os al­va­rás. Mas a ins­ti­tui­ção der­ru­bou es­sa de­ci­são em re­cur­so apre­sen­ta­do ao STF. Na ação, o BB ain­da acio­nou o go­ver­no pa­ra re­com­por R$ 1,5 bi­lhão ao fun­do de de­pó­si­tos ju­di­ciais.

DIÁ­LO­GO En­quan­to a guer­ra en­tre Exe­cu­ti­vo e Ban­co do Bra­sil não ter­mi­na, ad­vo­ga­dos e clien­tes não con­se­guem re­ce­ber as ver­bas con­quis­ta­das em pro­ces­sos ju­di­ciais. Em ja­nei­ro, a par­tir de um acor­do fir­ma­do com a par­ti­ci­pa­ção do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, o go­ver­no de­po­si­tou na con­ta R$ 5,7 mi­lhões pa­ra pa­ga­men­tos de al­va­rás já emi­ti­dos – re­cur­sos in­su­fi­cien­tes pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma.

Em do­cu­men­to pu­bli­ca­do no si­te no mês pas­sa­do, a di­re­ção da OAB ale­gou que já par­ti­ci­pou de reu­niões com re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no es­ta­dual, do Ban­co do Bra­sil e com o pró­prio mi­nis­tro Cel­so de Me­llo pa­ra tra­tar do as­sun­to.

“O diá­lo­go, que é tô­ni­ca da di­re­ção da Or­dem, es­tá se exau­rin­do, ra­zão pe­la qual, ca­so o di­le­ma não se­ja re­sol­vi­do nos pró­xi­mos dias, a Sec­cio­nal Mi­nei­ra não se fur­ta­rá a to­mar qual­quer ti­po de me­di­da, se­ja ju­di­cial ou de mo­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca da clas­se”, diz tre­cho da car­ta da OAB. O TJMG não in­for­mou à re­por­ta­gem os va­lo­res de sa­ques rea­li­za­dos pe­lo es­ta­do e o sal­do exis­ten­te na con­ta ju­di­cial no Ban­co do Bra­sil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade