Publicidade

Estado de Minas

Dilma admite "grande erro" ao promover desoneração fiscal


postado em 13/03/2017 06:00 / atualizado em 13/03/2017 07:44

Ex-presidente participou de seminários e debates em Genebra (foto: Fabrice Coffrini/AF)
Ex-presidente participou de seminários e debates em Genebra (foto: Fabrice Coffrini/AF)

Genebra – A ex-presidente Dilma Rousseff admitiu que cometeu um “grande erro” ao promover ampla desoneração fiscal no país. Em Genebra, na Suíça, para participar de debates e seminários, a brasileira foi questionada se era capaz de assumir erros e se estava arrependida de alguma decisão que tomou quando foi presidente do Brasil.

“Eu acreditava que, se diminuísse impostos, teria um aumento de investimentos. Eu diminuí, me arrependo disso. No lugar de investir, eles (os setores desonerados) aumentaram a margem de lucro”, admitiu. Ela voltou a fazer a mesma afirmação quando foi entrevistada ontem pela TV pública suíça, a RTS. “Sempre temos de reconhecer erros. Em certos momentos, você repassa a sua vida, o que poderia ter feito diferente”, disse.


Segundo a petista, uma das acusações feitas a ela é a de ter mantido uma política fiscal “mais frágil”. “Fiz uma grande desoneração, brutalmente reduzimos os impostos”, disse. “Ali fiz um grande erro.”

Parte das políticas de Dilma chegou a ser condenada na Organização Mundial de Comércio, como a redução de IPI para empresas automobilísticas e fabricantes de eletrodomésticos. Apesar de reconhecer o erro, ela disse que as razões da crise econômica foram “subestimadas”.


“Todos sabem que, na metade de 2014, houve queda significativa dos preços das commodities. Isso afeta a arrecadação do Brasil e nossa balança comercial”, disse a presidente cassada. Sobre o aumento da inflação, citou até a ameaça de desabastecimento de água em São Paulo, mas negou a acusação de que sua gestão tenha promovido uma “gastança”.

“Numa crise, todos precisam pagar. Mas quem paga? Um pato de seis metros de altura foi colocado nas manifestações, dizendo: eu não pago o pato. Mas quem colocou o pato? O presidente da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo). O que quer dizer isso? Eu não pago impostos. Eu só quero cortes e mais cortes”, criticou Dilma.Segundo ela, o impeachment ainda estaria ligado a propostas que ela tinha de elevar a tributação. “Meu impeachment também foi por não pagar o pato e o pato eram os impostos”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade