Publicidade

Estado de Minas

Moro começa a ouvir hoje testemunhas de acusação em processo contra Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu em processo que envolve a compra de um triplex no Guarujá, no litoral de São Paulo


postado em 21/11/2016 09:43 / atualizado em 21/11/2016 10:04

Dona Marisa Letícia foi indiciada pelo Ministério Público, juntamente com o marido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela compra de um triplex no Guarujá, litoral paulista(foto: Nelson Almeida/AFP)
Dona Marisa Letícia foi indiciada pelo Ministério Público, juntamente com o marido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela compra de um triplex no Guarujá, litoral paulista (foto: Nelson Almeida/AFP)
O juiz federal Sérgio Moro começa a ouvir no início da tarde desta segunda-feira as primeiras testemunhas de acusação do processo que tramita na Justiça Federal do Paraná contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula é réu em uma ação que envolve a compra e reforma de um triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo.

A Justiça Federal do Paraná intimou para depor hoje o empresário Augusto Mendonça, os ex-dirigentes da Camargo Correa Dalton Avancini e Eduardo Leite e o senador cassado e ex-petista Delcídio do Amaral (sem partido-MS).

Lula não participará da audiência, a pedido da defesa do petista ao juiz Sérgio Moro.

Os próximos depoimentos relativos a este processo acontecem até o próximo dia 25. Entre as outras testemunhas que serão ouvidas estão os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, além do ex-deputado Pedro Correa, o doleiro Alberto Youssef e o lobista Fernando Baiano.

Entenda o caso


Além de Lula, são réus do caso triplex, sua mulher Marisa Letícia, o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e executivos ligados à empreiteira.

O Ministério Público Federal (MPF) fez a denúncia no dia 14 de setembro passado. Todos foram indiciados pela Polícia Federal pelos crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

No indiciamento, o delegado da Polícia Federal Márcio Adriano Anselmo, afirmou que "(Lula) recebeu vantagem indevida por parte de José Aldemário Pinheiro e Paulo Gordilho, presidente e engenheiro da OAS, consistente na realização de reformas no apartamento 174". O imóvel recebeu obras avaliadas em R$ 777 mil, móveis no total de R$ 320 mil e eletrodomésticos no valor de R$ 19 mil - totalizando R$ 1,1 milhão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade