Publicidade

Estado de Minas

Áudio revela conversa entre estudante e chefe de gabinete de Marco Feliciano, acusado de assédio sexual

Um dia depois de Patrícia Lélis divulgar vídeos desmentindo a denúncia de que ela teria sido assediada pelo deputado, coluna Esplanada divulga áudio de suposta conversa entre a jovem e um assessor que tenta convencê-la a não divulgar a história


postado em 04/08/2016 10:51 / atualizado em 04/08/2016 11:45


O caso envolvendo a jovem Patrícia Lélis, 22 anos, que teria sido alvo de violência e assédio sexual por parte do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) ganhou mais um capítulo na noite dessa quarta-feira. Depois da denúncia ter sido publicada no final de julho pela coluna Esplanada, assinada pelo jornalista Leandro Mazzini, e de virem à tona supostas mensagens de whatsapp trocadas entre Patrícia e o pastor, a jovem publicou ontem no fim da tarde nas redes sociais dois vídeos desmentindo a acusação e inocentando Feliciano. “O pastor Marco Feliciano é uma pessoa íntegra com a qual eu tenho um contato muito bom, sempre muito respeitoso, muito amigável. Então na propaguem mentiras”, disse a garota, que é filiada ao mesmo partido do pastor e, como ele, também é evangélica, em um dos trechos do vídeo.

No entanto, a mesma coluna responsável pela denúncia, publicou ontem à noite um áudio de 28 minutos de uma suposta conversa de Patrícia com um homem que seria o chefe de gabinete de Feliciano, Talma Bauer. "Com todas as letras, ele deu em cima de mim mesmo de uma forma assim descarada. Me levou a fazer coisas à força, que eu tenho prova disso. Dentro da casa dele, falou que tava tendo reunião na UNE. Pra eu ir pra lá. Cheguei lá, e não tava tendo. Ele não me deixou sair, fez coisas à força. Eu tenho a mensagem para ele: 'Feliciano, a minha boca ficou roxa'. Ele ri e diz: 'Passa um batom por cima'. Eu tenho todas essas provas”, disse Patrícia.

Escute a suposta conversa entre o assessor  e Patrícia Lélis


Em outro trecho do áudio, Patrícia supostamente afirma que ainda não denunciou o caso à Polícia Civil para não prejudicar a igreja, os evangélicos e também ela. “Eu não posso sair prejudicada porque, se eu ver que eu vou sair prejudicada, aí eu vou na delegacia”, afirma a voz feminina do aúdio, supostamente Patrícia.

Na gravação, o homem pressiona para que ela não faça a denúncia. “No partido, ele já tem que pedir perdão”, afirma o homem, alegando que esse áudio é falso e que já foi desmentido por Patrícia em seu Facebook.

A coluna Esplanada garante que toda a história é verdadeira e também que o áudio e todas as conversas divulgadas por ele foram entregues pela própria Patrícia.

A assessoria do deputado ainda não se manifestou sobre o caso.

Patícia Lélis desmente acusações contra Marco Feliciano; assista


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade