Publicidade

Estado de Minas

De joelhos, Feliciano pede a Deus para 'expor a verdade' sobre acusação de estupro

Assessoria do pastor e parlamentar comemora divulgação de vídeo em que estudante desmente as denúncias e diz que ela teria sido manipulada pela esquerda, mas 'acordou'


postado em 03/08/2016 18:29

Em nota, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) alegou que tem
Em nota, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) alegou que tem "reputação ilibada" (foto: Evaristo Sá/AFP)

Ao saber das acusações de que teria assediado sexualmente a estudante Patricia Lelis, de 22 anos, o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) teria se “ajoelhado em orações pedindo a Deus para expôr a verdade”. O relato foi feito ao Estado de Minas pelo chefe de gabinete do parlamentar, Talna Bauer.

De acordo com ele, que se diz cristão como o patrão, Deus atendeu o pedido de Feliciano, e nesta tarde de quarta-feira, a estudante postou dois vídeos no Youtube em que desmente as acusações.

Em um deles, Patrícia Lelis nega que tenha sido estuprada ou assediada por Feliciano. De acordo com ela, o pastor e parlamentar é “muito bacana” e que nunca teve nenhum problema com ele. “O pastor Marco Feliciano é uma pessoa muito bacana. Nunca tive menor melhor problema com ele. Pelo contrário é um homem muito abençoado que sempre me ajudou em momentos difíceis, me aconselhou e eu nunca tive nenhum tipo de problema com ele”.


Ela diz ainda que os prints das conversas entre os dois no whatsApp são “infantis” e poderiam ter sido feitos por “uma criança de 5 anos”. “Vocês (jornalistas) estão mentindo, está em época de eleição e o que vocês querem é destruir a direita, mas não é assim que vocês vão conseguir”, diz ela, que tece elogios ao pastor.

Em nota, Feliciano admitiu que conhece a moça, que milita no PSC e é uma “grande lutadora contra o aborto e a favor das causas sociais”. Ainda segundo Bauer, a jovem é como uma “filha” e teria sido manipulada “por alguém”. “Mas graças a Deus ela acordou”, disse o chefe de gabinete.

O deputado diz ainda que tem uma “honra ilibada” e que tais acusações são “descabidas”. “Não quero acreditar que seja mais uma tentativa da imprensa de me expor negativamente, por algo que não fiz e não sou”.

Redes sociais

 

Ao longo do dia, Marco Feliciano não tocou no assunto nas redes sociais, mas em vários posts em seu Facebook deu “indiretas”. Em um deles, afirmou que “Aprenda a regozijar em meio a perseguição, pois grande será a nossa recompensa no Senhor”. As acusações contra Feliciano renderam centenas de comentários e bate-boca entre os internautas. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade