Publicidade

Estado de Minas

Resultado de pesquisa anima pré-candidatos a prefeito de BH

Potenciais concorrentes à PBH festejam as intenções de voto que receberam na pesquisa Giga Instituto/Estado de Minas


postado em 14/06/2016 06:00 / atualizado em 22/07/2016 14:30

Pesquisa mostrou que João Leite tem 17% das intenções de voto (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press - 9/10/15)
Pesquisa mostrou que João Leite tem 17% das intenções de voto (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press - 9/10/15)
Pré-candidatos a prefeito de Belo Horizonte comemoraram nessa segunda-feira (13) os números apresentados na pesquisa realizada pelo Giga Instituto, a pedido do Estado de Minas, e divulgada na edição de domingo. O levantamento mostrou ainda que 35% dos eleitores ainda não escolheram o seu candidato, o que representa um cenário significativo para a busca dos votos em 2 de outubro. Eles ainda creditaram à crise política nacional e às denúncias de corrupção envolvendo políticos de diversos partidos e empresários investigados pela Operação Lava-Jato o grande índice de eleitores desinteressados das eleições: 58% dos 1,1 mil entrevistados na capital mineira entre os dias 7 e 10 de junho.


Líder na pesquisa estimulada e espontânea – quando não são apresentados os nomes dos candidatos –, o deputado estadual João Leite (PSDB) disse que recebeu com satisfação o resultado. “Fiquei feliz de ser lembrado pela população de Belo Horizonte, que é minha cidade e onde vivi durante todo esse tempo”, afirmou o tucano, que foi apontado com 17% das intenções de votos no questionário. As convenções para escolha dos candidatos deverão ocorrer entre 20 de julho e 5 de agosto. O PSDB ainda não marcou a data do seu encontro e discute a possibilidade de alianças com o PP, DEM, PPS e PTB. Para o parlamentar, o pouco interesse nas eleições por parte de grande parcela do eleitorado se deve ao cenário político atual.

Ex-presidente do Clube Atlético Mineiro e recém-filiado ao PHS, Alexandre Kalil se diz “envaidecido” com a aprovação de uma possível candidatura por 6% dos belo-horizontinos, o que deu a ele a segunda colocação na pesquisa. “É um reconhecimento popular pela minha gestão no Atlético”, disse ele, que comandou o clube durante seis anos. O segredo para conquistar votos e atrair a atenção dos eleitores para a disputa? Ele diz que não sabe. Mas já tem uma noção: “Não roubar. A população está vendo o que está acontecendo, estamos todos cheios. Não sei como mudar isso, mas sei o que não devo fazer, que é roubar do povo, deixar o povo trabalhar, dar emprego. A questão é estudar muito e se preparar”, disse.

O vice-prefeito Délio Malheiros (PSD) aparece em quinto lugar no levantamento, com 3% das intenções de voto. Ele deixou o PV, partido pelo qual foi eleito na chapa do prefeito Marcio Lacerda (PSB), em busca de uma maior estrutura de campanha e tempo de televisão. “Você começar com 3% é um resultado muito bom. A campanha ainda nem começou”, argumentou. De acordo com o vice-prefeito, o número é um incentivo para que ele dispute as eleições. Em 2012, Délio era candidato pelo PV, mas às vésperas do registro das chapas abriu mão da candidatura e se aliou a Marcio Lacerda.

Com a saída de Délio Malheiros, o PV tem hoje como um dos nomes mais cotados para disputar a prefeitura o deputado estadual Mario Henrique Caixa, apontado como o preferido de 4% dos eleitores de Belo Horizonte, mesmo percentual de Eros Biondini (Pros). Os demais candidatos tiveram índices variando entre 1% e 2%. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos, o que mostra um cenário ainda embolado e indefinido. O levantamento foi registrado sob o número MG-05192/2016.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade