Publicidade

Estado de Minas

Coluna do Baptista Chagas de Almeida


postado em 31/05/2016 12:00 / atualizado em 31/05/2016 12:25

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Dois na berlinda

Parece ironia do destino, mas as aparências enganam. Neste caso, tem endereço certo: o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle. No popular, é a raposa tomando conta do galinheiro. O agora ex-ministro Fabiano Silveira, em nota divulgada por sua assessoria, disse ter  comparecido “de passagem” na residência oficial de Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado, no dia em que a conversa foi gravada por Sérgio Machado.

É, ele mesmo, o operador do gravador mais perigoso do país para os vários políticos importantes aos quais tinha livre acesso. Tudo agora está em mãos do Ministério Público. E, pelo jeito, muita água vai rolar por aí.

A presidente Dilma Rousseff (PT), mesmo exilada no Palácio da Alvorada, deu entrevista a jornal. E cutucou onça com vara curta, ao declarar que outro afastado, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seria uma pedra no caminho do presidente da República, Michel Temer (PMDB). “Ele terá que se ajoelhar, porque com Cunha não há negociação possível”.

A resposta de Eduardo Cunha veio da medalhinha para cima: “Além de sua arrogância e das mentiras habituais, ela demonstra a sua incapacidade e despreparo para governar. Se até o Lula se arrependeu de ter escolhido ela, imaginem aqueles que ela fez de idiota, mentindo na eleição. Para ela, apenas uma frase: tchau, querida”.

O que dizer da atual situação política brasileira? Não há projeto que possa melhorar a situação do cidadão brasileiro. Nenhuma iniciativa que possa reverter o quadro de desemprego. E olha que ele registra o maior desde que a pesquisa sobre a estatística dele foi iniciada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São nada menos que 10,4 milhões de desempregados.

O número, na realidade, é outro, porque a pesquisa só abrange o emprego de carteira assinada. E aqueles que trabalham por conta própria, sem registro, não aparecem na estatística oficial.

Mas nela, em breve, serão 10,4 milhões mais dois: a presidente Dilma Rousseff e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Mas estes futuros novos desempregados, a maioria dos brasileiros não vai lamentar. Muito antes pelo contrário.

O horário não nega
“Agenda do senhor presidente da República interino – Segunda-feira – 30 de maio de 2016 : 16h – Valmir Pontes Filho, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Administrativo (IBDA) – Palácio do Planalto; 17h – Rodrigo Janot Monteiro de Barros, procurador-geral da República do Brasil – Palácio do Planalto”. Advogado que é, o presidente se sentiu à vontade em sua agenda de ontem. Ah! Detalhe: os dois compromissos já perto do fim da tarde. É para dar tempo de chegar com calma de São Paulo.

Lula sabia
A delação premiada do ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE), condenado na Operação Lava-Jato, reforça a tese sustentada pela força-tarefa de que os escândalos da Petrobras e do mensalão têm na origem a corrupção para compra de apoio político para manutenção do PT no poder. Corrêa afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia de tudo. “Lula tinha pleno conhecimento de que o mensalão não era ‘caixa dois’ de eleição, mas sim propina arrecadada junto aos órgãos governamentais para que os políticos mantivessem as suas bases eleitorais e continuassem a integrar a base aliada do governo, votando as matérias de interesse do Executivo no Congresso Nacional”, disse Corrêa.

Só um detalhe
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se é que não tem este hábito, terá que acordar cedo na quinta-feira. Proposto pelo deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), Meirelles foi convidado pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio para um debate às 9h30 de quinta-feira. O motivo do convite é dar detalhes sobre a crise fiscal e financeira e as perspectivas da economia nacional. Como se precisasse de maiores detalhes, já que todo mundo sabe que a economia está em frangalhos. O ministro só vai chorar as mágoas, mas é só um detalhe.

Agora é moda
Não passa um dia sem que apareça um prefeito metido em encrenca no interior do estado. O último caso foi em Bom Jesus do Amparo, onde o prefeito Pedro dos Santos Moreira, o “Pedrada” (PSC), e o filho Pedro Henrique Magalhães Moura se envolveram em uma briga com dois outros homens, que começou em uma praça, invadiu várias ruas até um campo de futebol. E a confusão só foi acabar quando a Polícia Militar chegou e levou prefeito e filho para a prisão por motivos de agressão, lesão corporal e tentativa de homicídio. O motivo? Ninguém sabe.

PINGAFOGO

Líderes do PP, DEM, PPS e PTB se encontraram ontem para uma nova rodada de discussões sobre as eleições municipais.

Os dirigentes discutiram propostas para Belo Horizonte e reafirmaram o compromisso de unidade do grupo quanto à escolha do nome que irá disputar a prefeitura da capital. Garantem que marcharão juntos.

Demorou. O governo federal quer de volta as estradas que foram estadualizadas, como se antes interessassem ao governo. Mas a ficha caiu. Pelo menos, antes tarde do que nunca.

O objetivo da União é conseguir recursos externos para duplicar as estradas, já que financiamento no exterior é difícil para os estados captarem. Com tantas mortes, basta olhar as estatísticas, já não era sem tempo.

O presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), avisava ontem à tarde aos correligionários mais próximos que pretendia manter no cargo o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira.

No entanto, na situação em que estava Fabiano Silveira, nada mais havia a dizer. Poucas horas depois, o ministro perdeu o cargo.

 


Publicidade