Publicidade

Estado de Minas

Dilma acumula derrotas nos tribunais

Além de ter suas con­tas re­jei­ta­das no TCU, go­ver­no federal não con­se­guiu o adiamento da ses­são, ne­ga­do pe­lo STF, nem afas­tamento do re­la­tor do pro­ces­so, man­ti­do pe­los co­le­gas


postado em 08/10/2015 06:00 / atualizado em 08/10/2015 07:51


A re­jei­ção por una­ni­mi­da­de das con­tas de 2014 do go­ver­no fe­de­ral pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), nessa quarta-feira à noi­te, foi a maior, mas não a úni­ca der­ro­ta do go­ver­no nos prin­ci­pais tri­bu­nais do país nessa quarta-feira. O Pa­lá­cio do Pla­nal­to fra­cas­sou tam­bém, mais ce­do, na ten­ta­ti­va de adiar o jul­ga­men­to das con­tas e acu­mu­lou ou­tra der­ro­ta em pro­ces­sos re­la­cio­na­dos ao ca­so.

Pri­mei­ro, o mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Luiz Fux ne­gou o pe­di­do de sus­pen­são da ses­são. De­pois, já no jul­ga­men­to do Tri­bu­nal de Con­tas, mi­nis­tros con­si­de­ra­ram im­pro­ce­den­te o pe­di­do de afas­ta­men­to do mi­nis­tro Au­gus­to Nar­des da re­la­to­ria das con­tas de 2014 da pre­si­den­te. A de­ci­são foi unâ­ni­me.

“Na­da, ab­so­lu­ta­men­te na­da há nas de­cla­ra­ções do mi­nis­tro (Au­gus­to Nar­des) que re­ve­le al­gu­ma no­vi­da­de ou que con­fi­gu­re adian­ta­men­to de juí­zo de va­lor so­bre a ma­ni­fes­ta­ção apre­sen­ta­da so­bre a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, afir­mou o mi­nis­tro do STF, Luiz Fux. O ma­gis­tra­do dis­se que não foi de­mons­tra­da de for­ma “cris­ta­li­na” a sus­pei­ção de Nar­des por ter se ma­ni­fes­ta­do an­te­rior­men­te so­bre o ca­so.

Em se­gui­da, o go­ver­no so­freu no­va der­ro­ta no TCU, que tam­bém de­ci­diu de for­ma unâ­ni­me pe­la per­ma­nên­cia de Nar­des na re­la­to­ria. A de­ci­são re­for­ça o des­con­for­to pro­vo­ca­do en­tre os mi­nis­tros pe­la in­ves­ti­da do go­ver­no con­tra o co­le­ga, mes­mo com o in­cô­mo­do, nos bas­ti­do­res, com a ati­tu­de do re­la­tor de fa­lar de­mais so­bre o ca­so. Os mi­nis­tros se­gui­ram o vo­to do cor­re­ge­dor do TCU, o mi­nis­tro Rai­mun­do Car­rei­ro, en­ten­den­do que o co­le­ga não co­me­teu ne­nhum ato que o co­lo­que em sus­pei­ção pa­ra per­ma­ne­cer na re­la­to­ria das con­tas.

IM­PAR­CIA­LI­DA­DE
Em dois pro­ces­sos, mi­nis­tros con­cor­da­ram que não hou­ve par­cia­li­da­de de Nar­des nem o va­za­men­to ou adian­ta­men­to do vo­to. “Es­sa re­pre­sen­ta­ção não traz in­dí­cios mi­ni­ma­men­te de fal­ta fun­cio­nal”, dis­se Car­rei­ro. Ele ain­da re­ba­teu o ar­gu­men­to de que o mi­nis­tro re­ce­beu in­te­gran­tes de mo­vi­men­tos pe­lo im­pea­ch­ment. “Uma rá­pi­da con­sul­ta na agen­da do mi­nis­tro mos­tra que ele re­ce­be com fre­quên­cia par­la­men­ta­res da Câ­ma­ra e do Se­na­do in­de­pen­den­te do ali­nha­men­to po­lí­ti­co. Não só par­la­men­ta­res são re­ce­bi­dos por pre­si­den­te do TCU. Eu re­ce­bi di­ver­sas ve­zes mi­nis­tros do go­ver­no Dil­ma”, dis­se.

Na ter­ça-fei­ra, o go­ver­no já ha­via so­fri­do uma du­ra der­ro­ta. O%u2008Tri­bu­nal Su­pe­rior Elei­to­ral (TSE) au­to­ri­zou a rea­ber­tu­ra da ação que pe­de a cas­sa­ção da pre­si­den­te Dil­ma Rous­se­ff e do vi­ce Mi­chel Te­mer. Pe­la pri­mei­ra vez no país, o TSE dá an­da­men­to a uma ação de im­pug­na­ção de man­da­to de um pre­si­den­te em­pos­sa­do. A opo­si­ção, au­to­ra do pe­di­do ao tri­bu­nal, acu­sa a cam­pa­nha da pe­tis­ta de abu­so de po­der por uso da es­tru­tu­ra pú­bli­ca na dis­pu­ta elei­to­ral, além do re­ce­bi­men­to de doa­ções do es­que­ma de pro­pi­na da Pe­tro­bras.

Muitas dúvidas sobre eventual sucessor

Au­tor de di­ver­sos li­vros so­bre di­rei­to elei­to­ral, o coor­de­na­dor das pro­mo­to­rias elei­to­rais de Mi­nas Ge­rais, Ed­son Re­sen­de, tam­bém diz que a va­ga se­ria de Eduar­do Cu­nha, em­bo­ra lem­bre que o TSE tem duas op­ções – a se­gun­da se­ria dar pos­se ao se­gun­do co­lo­ca­do. “Acre­di­to que o tri­bu­nal vá op­tar por no­vas elei­ções, ten­do em vis­ta a mu­dan­ça re­cen­te na le­gis­la­ção.

Nes­te ca­so, o TSE te­rá de mar­car a da­ta e até is­so ocor­rer fi­ca no car­go o su­ces­sor pre­vis­to pe­la Cons­ti­tui­ção, no ca­so, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra”, afir­mou. Mais oti­mis­ta, Ed­son Re­sen­de acre­di­ta em uma de­ci­são so­bre a ação em cer­ca de dois me­ses.

Já o ad­vo­ga­do João Ba­tis­ta de Oli­vei­ra, que já atuou em vá­rias cam­pa­nhas elei­to­rais, apos­ta que o pro­ces­so se­rá jul­ga­do no ano que vem, pois o TSE en­tra em re­ces­so em 19 de de­zem­bro e só re­to­ma os tra­ba­lhos em fe­ve­rei­ro. Ele acre­di­ta ain­da que de­ve as­su­mir o se­gun­do co­lo­ca­do, ou se­ja, a cha­pa do se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PS­DB).

“Se for com­pro­va­do que hou­ve abu­so de po­der ou a ori­gem ilí­ci­ta dos re­cur­sos, o TSE cas­sa o man­da­to dos dois (Dil­ma e Te­mer) e as­su­me o se­gun­do lu­gar. No meu mo­do de en­ten­der, tem que apli­car a lei an­te­rior ao fa­to (aque­la que pre­via que, dian­te da anu­la­ção dos vo­tos, as­su­mia o se­gun­do co­lo­ca­do)”, dis­se.

 

 


Publicidade