Publicidade

Estado de Minas

PMDB dissolve direção do partido em Belo Horizonte


postado em 26/08/2015 06:00 / atualizado em 26/08/2015 07:31

O diretório do PMDB em Belo Horizonte foi dissolvido e transformado pelo comando estadual em comissão provisória. A presidência continua com o deputado federal Leonardo Quintão, que teve seu poder sobre a legenda reduzido com essa alteração. É que a comissão também pode ser dissolvida pela direção estadual a qualquer instante, em caso de divergência, principalmente na condução do processo eleitoral na capital. O diretório só pode ser mudado com a realização de eleição entre os filiados. Quintão garante que o objetivo da mudança foi apenas acomodar as principais forças do partido na capital e assegura que dentro da legenda o clima é de “total harmonia”. “A intenção foi compor com todas as correntes do partido na capital”, afirma o deputado, pré-candidato a prefeito de BH, cargo que disputou em 2008 contra o atual chefe do Executivo, Marcio Lacerda (PSB), que saiu vencedor no segundo turno.

A mudança foi feita em abril pelo presidente estadual do partido, o vice-governador Antônio Andrade (PMDB), que articula alianças com o PT nas maiores cidades do estado, principalmente na capital. Fazem parte da nova direção todos os parlamentares do partido com base em BH e também o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes, que não é majoritário na capital, onde teve na eleição passada menos de 2 mil votos. Integra ainda a comissão o deputado licenciado e secretário de Estado de Meio Ambiente, Sávio Souza Cruz, outro peemedebista cotado para a sucessão de Lacerda e que conta com a simpatia do governador Fernando Pimentel (PT). Corre por fora o empresário Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente da República, José Alencar.

Dependendo do cenário de 2016, o PT pode abrir mão da cabeça de chapa para o PMDB e Sávio é um dos principais cotados. Essa, inclusive, é uma das cobranças feitas desde já por Quintão. Segundo ele, na disputa passada, o PMDB desistiu da candidatura própria para compor com o PT. “Fizemos esse gesto nas eleições passadas e nesta próxima vamos cobrar isso do PT”, afirma Quintão, assegurando que desta vez o partido terá com certeza candidato próprio.


Publicidade