Publicidade

Estado de Minas

Dilma ironiza proposta sobre fim da reeleição

A petista alegou que ninguém consegue fazer "um governo efetivo" em apenas quatro anos


postado em 13/10/2014 19:49 / atualizado em 13/10/2014 20:03

(foto: Ichiro Guerra)
(foto: Ichiro Guerra)

A presidente Dilma Rousseff ironizou nesta segunda-feira, 13, a proposta do senador Aécio Neves (PSDB) de, se eleito, apoiar o fim da reeleição e citou as denúncias de compra de votos durante a votação da emenda constitucional que permitiu que os chefes de Executivo concorressem a um mandato consecutivo.

"Eu acho interessante o fim da reeleição. Porque quem está propondo o fim da reeleição é quem criou", disse Dilma. "Num processo que, se tivesse investigação, teríamos de nos perguntar onde estão todos os acusados de terem sido corrompidos durante o processo de aprovação. Hoje estão todos soltos", emendou.

Em 1997 o Congresso Nacional aprovou uma emenda que permitiu que o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) concorresse a um segundo mandato. À época, parlamentares foram acusados de receber propina para apoiar a proposta.

Hoje, Dilma disse que aceita discutir a hipótese de acabar novamente com a reeleição, mas cobrou mais precisão de seu adversário e disse que é preciso saber "em quais condições" isso seria feito.

"Quero saber que negociação está por trás dessa questão da reeleição. É uma negociação entre os tucanos? É uma negociação para aumentar (o mandato) para cinco (anos) e depois prorrogar?", disse.

Ela alegou que ninguém consegue fazer "um governo efetivo" em apenas quatro anos. Questionada se com cinco anos isso seria possível, Dilma respondeu: "pode ser, eu não sei. Por isso eu quero saber em que condições".

"Eu aceito discussão, mas eu não aceito discussão em que não estejam claros todos os termos da frase. Tem de ter sujeito, predicado, verbo, objeto direto. Quero saber a quem interessa", concluiu a presidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade