Publicidade

Estado de Minas

Pimenta e Pimentel prometem intensificar campanhas na reta final

Tucanos falam em mudar o tom e combater 'mentiras' do partido rival. Já os petistas devem manter a crítica ao PSDB e intensificar a presença nas ruas


postado em 06/09/2014 06:00 / atualizado em 06/09/2014 07:13

Pimenta da Veiga fez caminhada nesta sexta-feira pelas ruas de Varginha, no Sul de Minas(foto: Leo Lara/Divulgação)
Pimenta da Veiga fez caminhada nesta sexta-feira pelas ruas de Varginha, no Sul de Minas (foto: Leo Lara/Divulgação)

O último mês da campanha ao governo de Minas Gerais promete acirrar os ânimos entre os dois candidatos que polarizam a disputa, os ex-ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Pimentel (PT) e das Comunicações Pimenta da Veiga (PSDB). Atrás nas pesquisas de intenção de voto, os tucanos são os que mais falam em mudanças no tom e no volume da campanha nas próximas quatro semanas. Já os petistas vão manter a aposta nas críticas aos 12 anos de governo do PSDB no estado e pretendem intensificar a presença nas ruas.

Para o presidente do PSDB mineiro, deputado federal Marcus Pestana, o “ajuste” de estratégia vai dar mais ênfase à defesa do “legado” vinculado aos ex-governadores Aécio Neves e Antonio Anastasia, que hoje tem sequência com Alberto Pinto Coelho (PP) à frente do governo. De acordo com o parlamentar, não houve energia suficiente neste sentido. Esse foi um dos motivos que levaram o ex-secretário Danilo de Castro (PSDB) a assumir a coordenação política. A ideia é inflar a participação de prefeitos e deputados como cabos eleitorais – para isso, o senador Aécio Neves (PSDB) se reuniu com vários deles na quinta-feira em Belo Horizonte e pediu: “É preciso haver uma vinculação maior dos nossos companheiros na defesa do que foi feito em Minas”. O presidenciável, aliás, promete ampliar a presença no estado no último mês de campanha.

Outro ponto que vai mudar nos programas eleitorais é o que os tucanos chamam de combater as mentiras de Pimentel. “Ele diz que vai desenvolver Minas, mas, quando ministro, tirou o polo acrílico de Ibirité e o levou para a Bahia e a fábrica da Fiat foi para Pernambuco. Deixou a indústria arrasada, os piores déficits comerciais e o PIB (Produto Interno Bruto) negativo. Como pode ser bom de serviço?”, questiona Pestana.

Fernando Pimentel também fez campanha no Sul do estado, mas na cidade de Três Corações(foto: Manoel Marques/Divulgação)
Fernando Pimentel também fez campanha no Sul do estado, mas na cidade de Três Corações (foto: Manoel Marques/Divulgação)


De acordo com dirigente tucano, trata-se de politizar a campanha. “Essa mania de propostinha e abraçar o povo é do marketing brasileiro. Na Argentina, um marqueteiro me falou que é pancada para todo o lado e ganha quem ficar de pé. Nos Estados Unidos, os republicanos e democratas compram comerciais de TV para falar mal um do outro, não tem essa coisinha daqui”, afirmou, indicando que a campanha deve adotar postura semelhante.

Do lado do PT, o presidente da legenda, Odair Cunha, diz que não vai haver muitas mudanças. “Claro que pretendemos intensificar nossas caminhadas e o contato com pessoas nas mais diversas regiões do estado. O que se tem em vista é ampliar as atividades de rua”, afirmou. Cunha disse que, na campanha petista, não há espaço para “porradaria” ou baixaria. Segundo ele, os programas vão continuar apresentando projetos para o estado e apontando defeitos na gestão tucana à frente do governo de Minas.

De acordo com Odair Cunha, não se trata de mentiras, mas de constatações. “O cidadão mineiro sabe que as críticas que estamos fazendo não são vazias, são baseadas em constatações que estamos tendo no estado. Mostramos, por exemplo, a diferença do ICMS no combustível de São Paulo e de Minas Gerais. Quem vive aqui muitas vezes aproveita e vai abastecer no outro estado porque lá o preço é menor”, afirmou.

O dirigente petista citou ainda os cidadãos dependentes do Sistema Único de Saúde que, segundo ele, enfrentam dificuldades quando precisam fazer exames de especialidades médicas no interior. “É uma constatação”, afirmou. Sobre a artilharia preparada pelos principais oponentes de Pimentel, o presidente do PT diz que o partido não está preparado “para baixaria”, mas para “fazer um bom debate de programa de governo para o estado”.

Corpo a corpo Fernando Pimentel e Pimenta da Veiga fizeram campanha ontem no Sul de Minas. O candidato petista viajou a Três Corações e Alfenas. Ele disse que pretende fazer um governo regionalizado, com mais investimentos em educação. O candidato do PSDB esteve em Varginha. Conversou com comerciantes e prometeu, se eleito, duplicar a rodovia que liga a cidade à BR-381 e a que liga o município a Três Pontas. Sobre o café, a principal fonte de renda da região, Pimenta prometeu apoio aos produtores.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade