Publicidade

Estado de Minas A VONTADE DO ELEITOR

Eleitores desejam ensino de qualidade e salário digno para professores

Alunos, pais e professores apresentam propostas em busca de futuro melhor para a educação


postado em 31/08/2014 16:00 / atualizado em 31/08/2014 16:43

No muro de uma escola, a pergunta que ronda a cabeça de estudantes, professores e pais quando se fala em educação pública no Brasil (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
No muro de uma escola, a pergunta que ronda a cabeça de estudantes, professores e pais quando se fala em educação pública no Brasil (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


"Haverá futuro?"


Pichada no muro de um colégio em Belo Horizonte, a pergunta aponta para as incertezas nos rumos da educação, um dos maiores desafios dos governantes que serão eleitos em pouco mais de um mês. Mas, se depender dos anseios de quem vive o cotidiano do setor, haverá futuro, sim, desde que haja investimento na escola pública e a valorização dos docentes. Na segunda reportagem da série “A vontade do eleitor”, professores, estudantes, universitários e pais de alunos mostram quais os principais gargalos do setor – que envolve cerca de 60 milhões de alunos e 2,5 milhões de professores no país desde a educação infantil ao ensino superior – e propõem ações para alcançar esse novo tempo.

A escola pública de qualidade está no centro das propostas dos candidatos por um dia, que não suportam mais conviver com a realidade em que a violência e a falta de estrutura entraram para o currículo. “A violência se tornou natural. Há muita indisciplina e falta de respeito dos alunos”, afirma L.N., de 14 anos, aluna do 9º ano da Escola Estadual Barão de Macaúbas, no Bairro Santa Tereza, na Região Leste da capital mineira. Os estudantes não se esquecem do dia em que, cansada da bagunça, a professora reagiu na mesma língua e ensinou como fazer roleta-russa, jogo que usa um revólver. Logo depois, foi a vez de um aluno bater em um professor depois de ser repreendido.

Enquanto sobra agressividade, faltam aprendizado, merenda nutritiva, quadras esportivas e até acesso a internet. Aluna do 9º ano de uma escola pública em Andiroba, distrito de Esmeraldas, na Região Metropolitana de BH, Janaína Fagundes, de 16, sabe o que quer: “Aula de computação, reforço educacional, merenda com pelo menos uma fruta”. A melhoria do transporte escolar também faz parte do plano de governo imaginário da estudante. “Meus colegas vêm num ônibus apertado na estrada de terra”, conta.

Janaína Fagundes reclama da falta de uma quadra de esportes na escola: opção é usar o corredor cimentado na aula de educação física(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Janaína Fagundes reclama da falta de uma quadra de esportes na escola: opção é usar o corredor cimentado na aula de educação física (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


Quem abandonou a escola, problema comum sobretudo no ensino médio, propõe a criação de mais cursos profissionalizantes. “Se desse para fazer um curso de mecânica,
teria me formado”, afirma o morador de Ribeirão das Neves, também na região metropolitana, Raí Benício, de 18, que largou os estudos no 9º ano do ensino fundamental. Já a valorização do docente é a principal proposta da professora de português Nilce Faria Campos, de 57, apaixonada pela profissão, que exerce há 19 anos. “Se o professor não é valorizado, ele não tem interesse nem boa vontade”, afirma Nilce, que recebe salário de R$ 1,4 mil.

Já aqueles com diploma na educação básica se queixam do funil para entrar no ensino superior e voltam a lamentar a falta que uma boa escola pública faz, caso do estudante Felipe Augusto Vieira, de 22. “É preciso ter ensino de tempo integral, não apenas com teoria, mas com laboratórios, aulas de música”, diz o jovem, também defendendo a criação de mais vagas no ensino superior. Assim como nas universidades, a abertura de vagas é também um desafio na educação infantil. José Alberto, de 45, só conseguiu matricular as filhas gêmeas com intervenção da Justiça. “É preciso criar mais unidades de educação infantil”, reforça.


DESAFIOS QUE VÃO ALÉM DA POSSE
Novos governantes terão pela frente a missão de pôr em prática as metas traçadas pelo PNE


Os próximos governantes escolhidos nas eleições de outubro terão de antemão um grande e principal desafio: pôr em prática o Plano Nacional de Educação (PNE). Sancionado em junho, o documento estabelece 20 metas para o setor e traça também as estratégias a serem implementadas para alcançá-las em 10 anos. “Esse é o instrumento legítimo disponível hoje para que haja uma cobrança. O acompanhamento da sociedade civil tem que ir além das eleições”, afirma o especialista em políticas educacionais e professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas) Carlos Roberto Jamil Cury.

Um dos participantes da elaboração do PNE, construído de forma compartilhada por especialistas de todo país, o professor reforça que o plano reúne a maior parte dos anseios dos eleitores que vivem os problemas da área. “Vemos pelas demandas da população que ela está muito sintonizada com o plano”, afirma. Entre as metas da educação infantil, estão, por exemplo, a universalização da educação infantil para crianças de 4 e 5 anos e creches que atendam pelo menos a metade dos pequenos de até 3 anos. Pelo plano, todas as crianças têm que estar alfabetizadas até o 3º ano do ensino fundamental.

(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


No ensino fundamental, um dos desafios é garantir que pelo menos 95% dos alunos concluam o período na idade recomendada. Já no ensino médio, o plano estabelece até 2016 o atendimento escolar para toda a população de 15 a 17 anos. O ensino integral deverá, em 10 anos, ser realidade em metade das escolas, de forma a atender a um quarto dos alunos da educação básica.

O aumento do salário dos professores da educação básica é outra meta, assim como os cursos profissionais. Essa modalidade terá que responder por um quarto das matrículas no ensino fundamental, médio e na educação de jovens e adultos (EJA). Nas universidades, a meta é aumentar a formação de mestres e doutores e o número de alunos de pós-graduação.

RETRATO Na avaliação do professor da Faculdade de Educação (FAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Juarez Dayrell, integrante do Observatório da Juventude, as propostas sugeridas pelos pais, alunos e professores são um retrato de outros três grandes desafios da educação em Minas e no Brasil. “Faltam recursos. A partir do governo militar, houve a abertura de escolas, mas ela não veio acompanhada de investimentos. Isso incide também sobre o salário do professor, que se tornou quase um subemprego”, afirma.

De acordo com os últimos dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, do Ministério da Educação (MEC), o investimento em educação no país somou 6,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012. O Plano Nacional da Educação (PNE), aprovado em junho, prevê a aplicação de 10% do PIB no setor. No ano passado, foi aprovada lei que destina 75% dos royalties do petróleo e 50% do excedente em óleo do pré-sal para a educação, o que pode ajudar no cumprimento da meta.

Segundo Dayrell, outro desafio é a desorganização da escola. “Há uma distância entre o conteúdo escolar e os conteúdos da vida. O que se faz hoje, seja nas instituições públicas ou particulares, é instrumentalizar um discurso que sem diploma você não é nada. Isso reduz a função da escola”, reforça. O ensino médio é atualmente o grande gargalo da educação básica. “Metade dos jovens que deveriam cursar o ensino médio está fora da escola”, afirma.

A solução para os problemas passa por um terceiro desafio da educação: conviver com a diversidade. “Problemas sociais do Brasil estão dentro da escola, que não foi preparada para lidar com eles”, afirma Dayrell. Experiências adotadas em Portugal e na Argentina podem ser um caminho, segundo Dayrell. “O professor tem que ser contratado para atuar em tempo integral. Temos defendido a existência de uma tutoria, em que o profissional acompanha um grupo de 10 a 15 alunos do primeiro ao terceiro ano do ensino médio”, reforça. (FA)

O doutorando em imunologia da UFMG quer ser pesquisador, mas não vê futuro na área(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
O doutorando em imunologia da UFMG quer ser pesquisador, mas não vê futuro na área (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


CIÊNCIA GUARDADA NA GAVETA

Bruno Valiate, 28 anos, doutorando em imunologia


Tantos anos dedicados ao estudo e à pesquisa ainda não levaram a um caminho promissor para o biólogo Bruno Valiate. O doutorando em imunologia da UFMG quer ser pesquisador, mas não vê futuro na área. Atualmente, ganha bolsa de R$ 2,2 mil para desenvolver estudos relacionados à doença de Chagas e à artrite. Depois de concluir o doutorado, acredita que terá que se tornar professor. “Não há cargo de pesquisador no Brasil. A maior parte vira professor. A pós-graduação é feita a título de volume e a pesquisa acaba engavetada, sem nenhuma contribuição efetiva”, reclama. As barreiras à importação de produtos para serem usados nos experimentos é outra complicação. “Poderíamos desenvolver as pesquisas bem mais rapidamente”, diz.

Proposta: valorizar as pesquisas científicas e aplicar de forma mais efetiva o conhecimento produzido na universidade

(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


DE FORA DA UNIVERSIDADE

Felipe Augusto Vieira, 22 anos, estudante


As portas do ensino superior ainda estão fechadas para Felipe. Ele fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) três vezes, mas não teve nota suficiente para conquistar uma cadeira no curso de química em uma universidade pública. “A prova tem muito mais conteúdo do que o ensino médio da escola pública oferece”, avalia. Em busca de um futuro melhor, ele largou o emprego como repositor em uma padaria e, com a poupança, está focado nas aulas de um cursinho pré-vestibular. Além do aumento das vagas no ensino superior, ele acredita que a melhora na escola pública pode fazer parte da solução. “É preciso ter escola de ensino integral, não apenas com teoria, mas com laboratórios, aulas de música”, diz.

Proposta: ampliar as vagas nas universidades públicas e investir em escola de tempo integral

"Achei que não ia fazer falta. Queria trabalhar, adquirir as minhas coisas mais rápido", afirma Rai Benício (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

MOTOCICLETA NO LUGAR DA SALA DE AULA

Raí Benício, de 18 anos, motoboy


Aos 18 anos, Raí exibe a motocicleta e se orgulha de ter renda mensal em torno dos R$ 2 mil, conquistada no trabalho como motoboy. Já o currículo escolar, ele prefere esconder. “Tomei duas bombas e parei de estudar no 9º ano”, conta. A falta de interesse fez com que ele abandonasse os bancos da escola, em Ribeirão das Neves. “Achei que não ia fazer falta. Queria trabalhar, adquirir as minhas coisas mais rápido”, afirma o jovem, que gostaria de estudar numa escola que já o encaminhasse para um emprego. “Se desse para fazer um curso de mecânica, já teria me formado.”

Proposta: incluir ensino profissionalizante e técnico nas escolas

Moradora do Taquaril, Cleide Fernandes largou o emprego para ficar com a filha. Gostaria de voltar a trabalhar, mas teria que matricular Emanuelle, de 6 anos, na turma de tempo integral:
Moradora do Taquaril, Cleide Fernandes largou o emprego para ficar com a filha. Gostaria de voltar a trabalhar, mas teria que matricular Emanuelle, de 6 anos, na turma de tempo integral: "Não tenho confiança" (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


SEM CONFIANÇA NA ESCOLA

Cleide Fernandes, 36 anos, dona de casa


Moradora do Taquaril, Cleide Fernandes largou o emprego para ficar com a filha. Gostaria de voltar a trabalhar, mas teria que matricular Emanuelle, de 6 anos, na turma de tempo integral. “Não tenho confiança. Acho que os meninos ficam muito soltos. Vão fazer atividades em outro prédio e atravessam a rua sozinhos. Não tenho coragem”, diz Cleide. O sonho da mãe é conseguir pôr a menina numa escola melhor. “Os professores aqui não têm muita paciência com as crianças. Para começar, eles também não têm um bom salário”, diz.

Proposta: contratar mais funcionários e oferecer melhor estrutura para evitar que os alunos fiquem sem suporte adequado

AULA DE ROLETA-RUSSA

L.N., 14 anos, aluna do 9º ano


Cansada da agressividade dos alunos, a professora resolveu entrar na onda da violência. Ensinou para a turma como se faz a roleta-russa, jogo que envolve o uso de revólver. Em outro dia, foi a vez de um aluno dar um chute em um professor. Quem conta os casos de horror são estudantes da Escola Estadual Barão de Macaúbas, no Bairro Santa Tereza, Região Leste de Belo Horizonte. “A violência se tornou natural. Há muita indisciplina e falta respeito dos alunos”, afirma a aluna do 9º ano L.N.. E o problema se soma a outros. “Os pais não se envolvem, há muita troca de professores. Não me sinto preparada hoje para escrever uma redação num vestibular”, afirma.

Proposta: Trabalhar melhor os conteúdos para que os alunos possam se envolver mais e aumentar o salário dos professores de forma que eles se sintam mais estimulados

Educação é prioridade para a estudante de letras Helenice Leite, de 38 anos, mãe de Gabrielle, de 10, Daniel, de 6, e Arthur, de 5(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Educação é prioridade para a estudante de letras Helenice Leite, de 38 anos, mãe de Gabrielle, de 10, Daniel, de 6, e Arthur, de 5 (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

O APARTAMENTO PARA PAGAR A ESCOLA

Helenice Leite, 38 anos, mãe de três crianças em idade escolar


Educação é prioridade para a estudante de letras Helenice Leite, de 38 anos, mãe de Gabrielle, de 10, Daniel, de 6, e Arthur, de 5. Os dois mais velhos estudam no Colégio Padre Eustáquio. Ano que vem, o caçula, que estuda na Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei), também vai para a escola particular. Para isso, a família vai vender um carro e trocar de apartamento. “Queremos que, no futuro, eles estudem numa universidade federal. O momento é agora”, afirma. Nos estágios da faculdade, Helenice dá aula na rede pública, mas vê outra realidade em relação à época em que era aluna. “Falta interesse, o comportamento é diferente. Não me sinto segura em mantê-los na escola pública”, diz.

Proposta: Investir nos professores e retomar o padrão de qualidade das escolas públicas

%u201CNão consegui nota para a UFMG nem para conseguir bolsa pelo Prouni%u201D, conta Renata(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
%u201CNão consegui nota para a UFMG nem para conseguir bolsa pelo Prouni%u201D, conta Renata (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


UM SALÁRIO NA FACULDADE

Renata Rodrigues, 18 anos, estudante de direito


A satisfação está estampada no sorriso de Renata, primeira da família a cursar o ensino superior. Mas, apesar de ter estudado em escola pública a vida toda, a jovem de origem humilde se tornou aluna de faculdade particular. “Não consegui nota para a UFMG nem para conseguir bolsa pelo Prouni”, conta Renata, exemplo de determinação. Ela ganha R$ 724 (um salário mínimo), enquanto a mensalidade é de R$ 800. Como a mãe e o padrasto estão desempregados, a jovem é o esteio da casa. De dia, trabalha como atendente de telemarketing e à noite vai para a faculdade, onde cursa o 2º período de direito. “Consegui o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) e vou pagar depois que me formar.”

Proposta: Facilitar o acesso às bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni) para alunos de renda mais baixa

São 19 anos na sala de aula, atividade que Nilce mantém por paixão. A professora de português cansou de ver colegas mudarem de área(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
São 19 anos na sala de aula, atividade que Nilce mantém por paixão. A professora de português cansou de ver colegas mudarem de área (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


CONTRACHEQUE MAGRO

Nilce Faria Campos, 57 anos, professora de português


São 19 anos na sala de aula, atividade que Nilce mantém por paixão. A professora de português cansou de ver colegas mudarem de área. “Para dar 16 aulas e ainda planejar as atividades, recebo R$ 1.400”, conta. A falta de valorização fez baixar a autoestima da categoria, que se cansou também de conviver com outros problemas. “Enquanto escrevemos no quadro de giz, alunos mexem no celular”, comenta, ao se referir ao atraso tecnológico na rede pública. Mas ela não deixa de sonhar: “Temos que levar o aluno a tomar posse do espaço, abrir a escola aos domingos para atividades culturais, permitir que o aluno veja uma escola interessante”.

Proposta: aumentar o salário dos professores da educação básica e estimular a integração entre escola e comunidade, com a promoção de atividades culturais e esportivas nos fins de semana

VAGA CONQUISTADA NA JUSTIÇA

José Alberto*, 45 anos,  autônomo


Somente com intervenção da Justiça José Alberto conseguiu matricular as filhas gêmeas, de 2 anos, numa Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei). Apesar de referência em educação infantil, ainda falta vaga para atender a tantos interessados. No início do ano passado, as duas entraram na fila e, como não foram sorteadas, ficaram de fora da escolinha. “Temos que correr atrás, porque é nosso direito. A verba destinada à educação não vai para a educação”, afirma José Alberto, que não deu conta de manter as filhas numa escola particular. “Pagava R$ 450 para cada, fora a alimentação, fraldas e leite que levava durante o dia. Ficou pesado”, disse.

Proposta: construir mais unidades de educação infantil para suprir a demanda reprimida

* Ele não quis se identificar por temer problemas para as filhas

"O Ciência sem Fronteiras (programa de intercâmbio estudantil do governo federal) excluiu os cursos de humanas como se o que fizéssemos não fosse ciência", critica Isabella Martins (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


CHANCES RESTRITAS DE INTERCÂMBIO

Isabella Martins, 20 anos, estudante de psicologia


Parte de uma parcela restrita da população, Isabella Martins conseguiu passar pelo funil do ensino superior e conquistar uma vaga na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a maior do estado. Agora, tenta passar por outra peneira: fazer intercâmbio numa universidade no exterior. Como optou pela psicologia, as possibilidades são mais escassas. “O Ciência sem Fronteiras (programa de intercâmbio estudantil do governo federal) excluiu os cursos de humanas como se o que fizéssemos não fosse ciência”, critica a jovem. “Um intercâmbio me ajudaria, além de aprender outra língua, a entender melhor a diferença, o que é fundamental para um psicólogo”, completa.

Proposta: ampliar as bolsas de intercâmbio estudantil no exterior para outras áreas além daquelas correlatas à tecnologia e inovação

 

Grandes temas

Desde domingo passado, o Estado de Minas publica a série semanal de reportagens “A vontade do eleitor”. Longe dos palanques políticos e distantes da corrida eleitoral, os cidadãos comuns, que vivem na pele os problemas, propõem medidas a serem implementadas pelos futuros governantes em áreas essenciais. A primeira reportagem mostrou as demandas da saúde, que vão desde o incremento da estrutura hospitalar no interior até a agilidade no tempo do atendimento.

E VOCÊ O QUE ACHA QUE PODE SER MELHORADO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA DO PAÍS? COMENTE ABAIXO:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade