Publicidade

Estado de Minas

Aécio aponta ciclo econômico "perverso"

Tucano culpa equipe do governo petista por queda do PIB que pôs o país em recessão técnica


postado em 30/08/2014 06:00 / atualizado em 30/08/2014 17:52

"Este modelo que está aí fracassou, e nós é que temos as melhores condições de apresentar ao Brasil não apenas uma proposta de mudança, mas uma mudança consistente" - Aécio Neves (PSDB), candidato à Presidência (foto: Marcos Fernandes/Coligação Muda Brasil)

O candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, fez duras críticas nessa sexta-feira à equipe econômica do governo federal, ao comentar a queda de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no segundo trimestre. O tucano acusou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de ser responsável por um quadro “extremamente perverso” na economia. “Hoje (ontem) é um dia triste para o Brasil, que acaba de entrar em recessão técnica: pelo segundo trimestre consecutivo temos um PIB negativo. É triste, ao final do governo, o ministro da Fazenda entregar esse quadro extremamente perverso para os brasileiros, de recessão econômica e de inflação fora de controle”, afirmou Aécio, que na tarde de ontem visitou a estação Vila Prudente, em São Paulo, ao lado do governador do estado, Geraldo Alckmin (PSDB).

Ele aproveitou o momento econômico para alfinetar, além do governo Dilma Rousseff, a candidata Marina Silva (PSB), ressaltando a importância de um “projeto consistente” para que o país volte a crescer nos próximos anos. “Este modelo que está aí fracassou, e nós é que temos as melhores condições de apresentar ao Brasil não apenas uma proposta de mudança, mas uma mudança consistente”, disse Aécio. O tucano voltou a citar que “o Brasil não é para amadores” e que é preciso definir se o país quer uma “mudança do improviso”.

Segundo Aécio, o legado da gestão petista é negativo. “A verdade é que o governo do PT terminou antes da hora e o legado será crescimento baixo, investimento baixo, combinado com inflação alta, juros altos e uma perda crescente da confiança na nossa economia que impacta nos investimentos e no emprego", afirmou. E completou: “Por isso, o sentimento de mais de 70% dos brasileiros na busca de mudanças, e os maiores responsáveis por esse sentimento de mudança são aqueles que conduziram mal a economia brasileira”, disse, atacando mais uma vez o ministro Guido Mantega.

O candidato tucano ainda rebateu críticas veladas feitas por Mantega ao ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, que deve assumir o Ministério da Fazenda caso o tucano seja eleito. O ministro acusou Fraga de não ter entregue a meta da inflação quando estava no comando do BC, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “Não vejo nele (Mantega) autoridade para questionar quem quer que seja. No início do governo do ex-presidente Fernando Henrique, a inflação era de 1.600% ao ano. Ela chegou a 7% em 2002 e subiu para 12% em razão do chamado risco Lula”, respondeu o tucano, referindo-se às reações do mercado durante a campanha do ex-presidente petista.

De acordo com dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB brasileiro caiu 0,6% no segundo trimestre, na comparação com os três primeiros meses deste ano. Como o resultado do primeiro trimestre foi revisado para queda de 0,2% (contra alta de 0,2% informada anteriormente), economistas afirmam que o país entrou em recessão técnica.

Ao apontar os números da economia como exemplo do fracasso da administração da presidente Dilma Rousseff (PT), Aécio busca demonstrar para o eleitor que quando o país cresce pouco, o governo tem menos verbas para investir em obras públicas, a expansão de programas sociais fica mais complicada e os empregos começam a desaparecer, diz texto publicado no site de campanha do candidato.

Também no site, o tucano criticou as explicações dadas pela presidente nas últimas semanas, apontando o cenário internacional como um dos fatores para os números ruins na economia. “Dilma vai querer culpar o resto do mundo por um problema que é exclusivamente do governo dela. Entre as principais economias que já divulgaram o resultado do segundo trimestre, só o Japão (-1,7) saiu-se pior que o Brasil. Dos países que já tiveram o PIB de abril a junho conhecido, só Brasil e Itália registram recessão. O resultado divulgado hoje pelo IBGE não é um ponto fora da curva. No período Dilma, a economia brasileira foi a de menor crescimento entre todas as da América do Sul”, diz o texto publicado em seu site.

Futebol com Zico

O senador Aécio Neves (PSDB) participará amanhã, no campo do Zico, no Rio de Janeiro, de uma partida com artistas e atletas que apoiam a candidatura do tucano à Presidência da República. A tarde esportiva contará com a presença de vários ex-jogadores, como Zico, Carlos Alberto Torres, Reinaldo e Dadá Maravilha, além de representantes de outras áreas, como o empresário Alexandre Accioly, o cantor Fagner e o humorista Marcelo Madureira.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade