Publicidade

Estado de Minas

Gustavo Perrella é acusado de improbidade administrativa

Segundo o Ministério Público, o deputado abasteceu o helicóptero registrado em nome de sua empresa com recursos de verba indenizatória


postado em 01/07/2014 00:12 / atualizado em 01/07/2014 07:47

Deputado Gustavo Perrella é acusado pelo MP de improbidade adminsitrativa(foto: Renato Weil/EM/D.A Press)
Deputado Gustavo Perrella é acusado pelo MP de improbidade adminsitrativa (foto: Renato Weil/EM/D.A Press)
O deputado estadual Gustavo Perrella (SDD), filho do senador Zezé Perrella (PDT), foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE) em uma ação civil pública por ter abastecido o helicóptero registrado em nome de sua empresa, a Limeira Agropecuária Ltda, com recursos da verba indenizatória. No fim do ano passado, essa mesma aeronave foi apreendida pela Polícia Federal (PF) no interior do Espírito Santo, com 445 quilos de cocaína. De acordo com o MP, a aeronave era usada exclusivamente para fins particulares. O deputado foi denunciado por improbidade administrativa, enriquecimento ilícito e lesão ao erário.

Levantamento da Assembleia Legislativa demonstrou que, em 2013, ele apresentou 21 pedidos de reembolso do combustível usado para abastecer o helicóptero, no valor total de  R$ 14 mil. Por mês, o deputado tem direito de pedir o reembolso de R$ 20,9 mil das despesas com a manutenção do mandato, entre elas gasolina. Depois do episódio da apreensão da aeronave e da revelação de que o gasto com seu combustível era custeado pelo Legislativo, a Assembleia decidiu proibir esse tipo de gasto com a verba.

Uma das principais testemunhas do MPE no processo é o piloto da aeronave, Rogério Antunes, denunciado por tráfico internacional de drogas por ter sido flagrado transportando a cocaína apreendida dentro da aeronave. Ele declarou que o helicóptero era usado para fins particulares. Rogério era lotado na 3ª Secretaria da Assembleia, no gabinete do deputado Alencar da Silveira (PDT), e foi exonerado assim que foi preso.

De acordo com o piloto, o parlamentar usava a aeronave para ir para a praia, fazenda e sítios de amigos. A aeronave era também usada para visitar prefeitos no interior do estado. Gustavo Perrella foi ouvido e, segundo o MP, não conseguiu demonstrar o caráter público do gasto com o combustível da aeronave. Os registros dos voos revelam viagens durante recesso parlamentar, dois abastecimentos no mesmo dia e gastos em fins de semana. O deputado não foi localizado em seu gabinete para comentar a denúncia do Ministério Público.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade