Publicidade

Estado de Minas

PSDB e PT preparam arsenal para disputa eleitoral de 2014

Tucanos e petistas fazem cálculos diferentes para comemorar vitória nas urnas: PSDB fez maior número de prefeituras e PT maior eleitorado


postado em 15/10/2012 07:38 / atualizado em 15/10/2012 07:49

O governador Anastasia e o senador Aécio foram fundamentais na campanha vitoriosa de Carlaile em Betim(foto: Rejane Lima/Espec. EM/D.A Press - 30/06/12)
O governador Anastasia e o senador Aécio foram fundamentais na campanha vitoriosa de Carlaile em Betim (foto: Rejane Lima/Espec. EM/D.A Press - 30/06/12)


Uma foto de satélite que fosse feita sobre Minas Gerais em primeiro de janeiro de 2013, focalizando apenas as cores dos dois principais partidos rivais do cenário político brasileiro – que devem polarizar a disputa à Presidência da República em 2014 –, mostraria um estado pulverizado em azul e amarelo com enormes bolsões vermelhos. A mistura de tons foi definida nas eleições do dia 7. O PSDB ficou com o maior número de prefeituras, 142, contra 114 do PT. A legenda da estrela, no entanto, foi encarregada de administrar uma prefeitura a mais que os tucanos nas 50 maiores cidades do estado: petistas ficaram com dez prefeituras, contra nove do adversário. Na soma do eleitorado desses municípios, o PT leva larga vantagem sobre o PSDB. O partido vai comandar cidades que somam hoje 1,4 milhão de votos, contra 899 mil eleitores dos municípios que serão governados pelos tucanos.

A diferença pode aumentar ainda mais. O PT estará nas urnas novamente em 28 de outubro para disputa em duas das quatro cidades mineiras onde há segundo turno: Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; e Juiz de Fora, na Zona da Mata, respectivamente terceiro e quarto maiores colégios eleitorais do estado. O PT já conquistou o segundo maior, Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Ao contrário do adversário, o PSDB não tem candidato próprio em nenhuma das cidades em que vai acontecer novo turno de votação.

Em meio à onda vermelha que se formou com a abertura das urnas no primeiro turno em Minas, os tucanos garantiram ao menos uma grande jangada. Arrancaram do PT, em confronto direto, a cidade de Betim, também na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o quinto maior colégio eleitoral de Minas. O PSDB assegurou ainda a permanência no poder em Divinópolis, Região Centro-Oeste, a 11ª do estado em total de moradores aptos ao voto.

Por outro lado, tiveram uma derrota menos expressiva em termos de eleitorado, mas extremamente marcante pela simbologia. O PT venceu o candidato apoiado pelo senador Aécio Neves (PSDB) em São João del-Rei, na Região Central de Minas, cidade onde nasceu o avô do parlamentar, Tancredo Neves, responsável pelos primeiros passos do neto na política.

2014
Escolhido como o articulador do PSDB para as eleições de 2012, o deputado federal Domingos Sávio, vice-presidente da legenda no estado, afirma que a vitória nas urnas não se consolida apenas na eleição do prefeito. “É preciso analisar também a quantidade de votos que tivemos”, argumenta o parlamentar. Para ele, o resultado em Minas, segundo maior colégio eleitoral do país, não causará impacto na corrida presidencial de 2014. “A disputa eleitoral influencia muito mais na composição das câmaras e da Assembleia Legislativa. No plano nacional, o voto é dado com base em um ambiente macro, como a saúde da economia, por exemplo”, acredita.

O presidente do PT estadual, o também deputado federal Reginaldo Lopes, tem avaliação diferente do colega de Congresso. O parlamentar afirma que o resultado vai pavimentar a vitória de Dilma Rousseff (PT) em Minas na briga pela reeleição em 2014. “Sou capaz de apostar não haver agora qualquer chance de a presidente perder a disputa no estado. O PSDB foi derrotado em Minas”, preconiza. Até mesmo a vitória de Marcio Lacerda (PSB) em Belo Horizonte, com o apoio dos tucanos, foi colocada em segundo plano pelo deputado. “O partido vencedor apoia a presidente da República”, alega.

Prejuízo Para tentar reforçar a participação no governo das cidades em que haverá segundo turno, o PSDB adotou a estratégia de apoiar até mesmo quem é aliado do PT no plano nacional, como em Contagem. Na cidade, o partido da presidente Dilma enfrentará o PCdoB, que tem Carlin Moura como candidato e já acenou com a possibilidade de ter os tucanos ao seu lado no palanque. O candidato do PSDB em Contagem, Ademir Lucas, ficou em terceiro lugar.

Situação parecida com a de Contagem deverá ocorrer em Juiz de Fora, onde o PT enfrenta o PMDB, do vice-presidente Michel Temer, no segundo turno. Também na cidade, o candidato do PSDB, o prefeito Custódio Mattos, que buscava a reeleição, ficou em terceiro lugar. “Eu não teria problemas em apoiar o PT, mas o partido ataca os tucanos de forma tão virulenta que a relação chegou a um nível muito acirrado”, avalia Domingos Sávio. Para o deputado Reginaldo Lopes, a explicação é outra: “Os tucanos vão tentar pegar carona em alguma candidatura para dizer que se salvaram, que ajudaram alguém a vencer o PT”.

Durval Ângelo (PT) teve que ir até o Barreiro, em BH, para conseguiu ficar no mesmo palanque de Dilma (foto: Túlio Santos/EM/D.A Ptresso/ 3/10/2012)
Durval Ângelo (PT) teve que ir até o Barreiro, em BH, para conseguiu ficar no mesmo palanque de Dilma (foto: Túlio Santos/EM/D.A Ptresso/ 3/10/2012)


Publicidade