Publicidade

Estado de Minas VISITA PRESIDENCIAL

Anel Rodoviário de BH só ficará pronto em cinco anos


postado em 13/06/2012 06:00 / atualizado em 13/06/2012 10:31

Se tudo correr dentro do que está sendo planejado, sem atrasos, e se não faltar dinheiro, os 120 mil motoristas que hoje trafegam diariamente pelo Anel Rodoviário terão a nova via concluída em 2017, três anos após a realização da Copa do Mundo. Os detalhes sobre os prazos para a licitação do projeto e também da obra não foram revelados ontem durante a visita da presidente Dilma Rousseff a Belo Horizonte, mas estimativas do setor da construção pesada apontam que uma obra dessa magnitude pode levar cerca de três anos para ser concluída. Além disso, só a previsão para a conclusão do projeto executivo é de aproximadamente 10 meses.

O Anel Rodoviário exibe um histórico de tragédias como poucas rodovias no país. No trecho de 27 quilômetros, tem sido registrada uma média de 3 mil acidentes por ano, com dezenas de mortes – o que levou o governo federal a anunciar como uma das prioridades para receber obras de reforma, embora os recursos nunca tenham chegado. “Hoje, a cidade extravasou os limites desta rodovia, que na década de 1960 parecia algo bem distante para todos os belo-horizontinos. Por isso tive essa iniciativa de reconhecer a característica urbana da obra e necessidade de parceria com o governo estadual, apesar de ser uma rodovia federal. Precisamos dessa obra o mais rápido possível”, explicou a presidente Dilma, durante cerimônia de assinatura do termo de compromisso no Palácio da Liberdade.

A alternativa escolhida pelo governo federal para firmar parceria com o governo de Minas e tentar tirar de vez do papel a obra que está completamente parada há dois anos, foi bem recebida pelos mineiros, que ressaltaram a atitude da petista. “Quero destacar o ato de grandeza do governo federal, em primeiro lugar, ao delegar o projeto da execução da obra do Anel para execução pelo estado, que é reivindicada há décadas pela população não só da capital, mas também de toda a região metropolitana e de todo o estado. Poderia dizer até do Brasil, porque aqui passam veículos que cruzam nosso país de norte a sul”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

Já o prefeito Marcio Lacerda falou da importância da obra, mas cobrou também uma agilidade maior para a obra do Rodoanel, que segundo ele seria fundamental para melhorar a segurança na via. “Em uma atitude muito republicana, a presidente permitiu que sejam delegadas as incumbências e os recursos para esta obra, o que vai aliviar o Dnit da elevada carga de trabalho que tem. Esse anúncio de liberação é uma antiga reivindicação da nossa população. Infelizmente o Anel foi palco de grandes acidentes nos últimos anos e as soluções precisam ser rápidas e definitivas”, disse Lacerda.

Simulação

Se acidentes no Anel Rodoviário envolvendo poucos veículos podem paralisar por várias horas o trânsito nas principais vias da Região Metropolitana de Belo Horizonte, a substituição do asfalto da via e a construção de novos viadutos e trincheiras já são vistas com grande preocupação por quem conhece a via e sabe do transtorno que a interdição pode causar. Para amenizar o impacto das obras no trânsito do trecho que atravessa a capital mineira, já estão sendo realizadas simulações para saber como serão feitas as obras. “É uma ação em local por onde passam 120 mil veículos por dia. Ou seja, tem muita gente envolvida e será preciso um plano para saber qual o melhor horário para que sejam feitas as intervenções e como será este cronograma. A obra envolve também a remoção de mais de 3,5 mil famílias que vivem hoje às margens do Anel, por isso vamos ter que tocar esse empreendimento com muito cuidado”, explicou Jorge Ernesto Pinto Fraxe, diretor-geral do Dnit.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade