Publicidade

Estado de Minas CÂMARA MUNICIPAL

Daniel Nepomuceno toma posse no lugar de Wellington Magalhães

Apesar de ter o mandato cassado por abuso de poder econômico, Wellington Magalhães é candidato a deputado estadual


postado em 01/09/2010 20:16 / atualizado em 02/09/2010 08:03

Nepomuceno é da base de apoio ao prefeito Marcio Lacerda(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Nepomuceno é da base de apoio ao prefeito Marcio Lacerda (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Daniel Nepomuceno (PSB) tomou posse nesta quarta-feira como vereador durante a primeira reunião ordinária de setembro na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Ele ocupa a vaga aberta pela perda de mandato do ex-vereador Wellington Magalhães (PMN), cassado por abuso de poder econômico.

O novo vereador se comprometeu a focar questões de direitos humanos e de acesso à justiça. "Estamos na expectativa de desenvolver um excelente trabalho na defesa dos direitos humanos e daqueles que não são tão assistidos pelo Estado. Enfim, focar no acesso à justiça para todos”, resumiu. Nepomuceno é da base de apoio ao prefeito Marcio Lacerda (PSB).

Daniel Nepomuceno, filho do desembargador Nepomuceno Silva, é advogado e pós-graduado em ciências políticas pela Universidade Pública de Barcelona. Para assumir a vaga, ele deixou o cargo de secretário adjunto de Defesa Social de Minas Gerais. Nepomuceno é vice-presidente do PSB e também vice-presidente do Clube Atlético Mineiro, e já foi coordenador de direitos humanos da Prefeitura de Belo Horizonte.

Cassado

Wellington Magalhães teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), por abuso de poder econômico, por decisão do colegiado em abril deste ano, por quatro votos a três. O vereador entrou com recurso no TSE. O Ministério Público Eleitoral o acusou de ter distribuído um sopão a pessoas carentes para conseguir votos durante as eleições municipais de 2008. Além disso, o político distribuiu um jornal na Região Noroeste de Belo Horizonte, intitulado "Jornal do Magalhães", com tiragem de 20 mil exemplares, no qual se diz responsável pela realização de diversas obras na capital.

Embora cassado pelo TRE-MG, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu provimento ao recurso apresentado por Wellington Magalhães (PMN) e deferiu o pedido de registro de sua candidatura a deputado estadual. Em decisão monocrática, o ministro Arnaldo Versiani reformulou a decisão do TRE-MG, que, com base na Lei Ficha Limpa, havia indeferido o registro do vereador. Se a Procuradoria da República Eleitoral representar contra a decisão de Versiani, o caso será levado à corte eleitoral.


Publicidade