Publicidade

Estado de Minas LITERATURA

Virginia Woolf: confira entrevista com tradutor de 'As ondas'

Ex-seminarista, Tomaz Tadeu afirma que o experimentalismo radical da obra rompeu limites no século 20 como fez Joyce com 'Ulysses'


13/08/2021 06:00 - atualizado 13/08/2021 07:40

Confira, a seguir, uma entrevista com o catarinense Tomaz Tadeu, autor da nova tradução de "As ondas". Ex-seminarista, ele já traduziu para a editora autêntica obras de James Joyce, Herman Melville e outros livros clássicos de Virginia Woolf, como "Orlando", "Mrs Dalloway" e "Ao farol" 

Quais foram os maiores desafios para a tradução de Virginia Woolf em "As ondas"?

Foram muitos e imensos. Embora Virginia tivesse, antes, escrito obras de ficção que rompiam com o cânone realista do romance tradicional ("Mrs Dalloway", "O quarto de Jacob', 'Ao Farol"), nada se compara com o experimentalismo radical de "As ondas". Não há nada, aqui, que seja óbvio e de fácil leitura. Para começo de conversa, nenhum dos seis personagens "fala" uma única palavra, embora todas as suas manifestações sejam todas assinaladas, invariavelmente, pelo verbo narrativo por excelência, "dizer", na terceira pessoa do pretérito ("disse").

Se quisermos nomear essa característica no jargão das teorias da narrativa, essas "falas" todas podem ser classificadas como "monólogo interior", ou seja, expressam o que os personagens pensam ou sentem e não o que realmente dizem ou falam. E, no entanto, essas mentes parecem se comunicar entre si e até mesmo adivinhar os sentimentos e pensamentos umas das outras. Além disso, esses pensamentos não se expressam, estilisticamente, por frases cortadas, grudadas umas nas outras sem nenhuma conexão, como nos monólogos interiores mais conhecidos, como os de Molly Bloom, no último capítulo de "Ulisses".

Pelo contrário, os seis personagens, três mulheres e três homens, se expressam num estilo elevado, sofisticado, formal. Além disso, o texto é, com exceção dos interlúdios, todo ele, elíptico, conciso, misterioso. Se acompanharmos o texto do romance pela leitura dos rascunhos que foram preservados, perceberemos que Virginia simplesmente cortou todas as conexões que poderiam tornar o texto mais compreensível. Ou seja: virem-se! Captem-me, se forem capazes.

Como esta obra se situa no contexto da produção de Woolf e na literatura do século 20?

Como já disse, "As ondas" contrasta com os outros romances que ela escreveu, ainda que eles tenham feito avançar a prosa de ficção do século 20. "As ondas" rompe com todas as convenções estilísticas da época. O livro se coloca, nessa perspectiva, ao lado de "Ulisses" de James Joyce e de tantas outras experimentações ao longo daquele século, tanto na prosa quanto na poesia. Curiosamente, Virginia começou com romances bastante convencionais ("Noite e dia", "The voyage out") e terminou com um romance que se poderia classificar como tradicional ("Os anos") (se ignorarmos "Entre os atos", publicado postumamente), mas no meio temos essa obra ímpar, inigualável, original, que se chama "As ondas".

Nesse sentido, o livro se compara a todas as experimentações (o roman nouveau, as metaficções, etc.) que, na última metade do século 20, revolucionaram o que se entende por romance. E quando se fala de experimentalismo, como no caso de Virginia com "As ondas", não se está falando apenas de veleidades literárias, mas de uma visão renovada e revista do mundo, da vida. Neste caso, o romance, a ficção se põem ao lado do pensamento, da filosofia. Outro mundo, outra visão de mundo, outra narrativa. Há um vínculo estreito entre o que pensamos e o que narramos. Contar histórias é pensar. E vice-versa. A imaginação é reflexão. E vice-versa.

Quais as temáticas centrais abordadas nesta obra e o que estas têm a dizer aos leitores do século 21?

São muitas: a identidade (quem sou eu?, quem é o eu?, que somos nós?); a diversidade (um é isto; outro, aquilo; outro ainda, aquele outro: introspectivos, mundanos, sonhadores, práticos, sensualistas, perturbados, caseiros, extrovertidos); o político (quem manda?, quem obedece?, quem oprime?; quem é oprimido?; que estrutura introjetamos?, como resistimos?). "As ondas" é um livro atualíssimo. Não por acaso, Virginia estruturou seu livro sem uma época definida, definitiva: é a Londres, a Inglaterra do final do século 19, do início do século 29; mas, justamente por essa indefinição, pode ser o mundo de hoje, o mundo marcado por uma nova pandemia, o mundo de novas formas de opressão e de novas formas de resistência. "As ondas" continua viva. "As ondas" continua sendo vida. A dos seis personagens, Neville, Rhoda, Louis, Susan, Jinny, Bernard. A nossa, de agora, nesta hora.

Virgínia Woolf é uma das autoras pioneiras do feminismo. Como o tradutor, masculino, interage e transmite essa dimensão da obra dela?

É uma questão que se tem posto ultimamente. Não sei se a compreendo bem. Mas devo dizer, antes disso, que "feminista" é uma palavra que Virginia explicitamente rejeitava. Depois, imagino que se conceda aos homens o direito de se considerarem feministas e agirem como tal, assim como as mulheres feministas têm o direito de assumir e defender outras e diferentes causas. Mas, enfim, feminista é o que, imperfeitamente, me considero.

Por outro lado, a ideia de que um autor ou autora só possa ser traduzido ou traduzida por alguém que se lhe iguale em termos de identidade, certamente tornaria quase impossível encontrar pessoas que atendessem esse requisito. No caso de Virginia, ela era, por nascimento, uma pessoa de nacionalidade britânica, classe média, algo esnobe, um tanto antissemita (embora casada com um judeu) e uma mulher que gostava de mulheres (embora casada com um homem); enfim, um ser humano em toda a sua complexidade.

Na maioria dos casos, essa "ideia" (de que a tradução de uma obra literária deve ser feita por alguém de identidade igual ou parecida a de quem a escreveu) tornaria impossível o ofício da tradução. Penso que a política da identidade nos condena, às vezes, a um isolamento que não tem nada de político e muito de separatismo ("cada qual no seu quadrado"). Não, não me sinto culpado, por ter traduzido, como homem, uma boa parte da obra dessa genial escritora inglesa. Amo-a, simplesmente. Que esse amor me absolva, se é que tenho alguma culpa.

Entre os trabalhos de Woolf que o sr. já traduziu, qual considera o mais original e qual segue sendo o mais atual em nossos dias?

Todos. Cada um deles por algo especial. "Mrs Dalloway", pelos dilemas vividos por uma mulher britânica de classe média ao atravessar os acontecimentos de um único dia. "Ao Farol", pelos esforços de outra mulher, da mesma classe da mãe de Virginia, por tentar harmonizar a vida de uma família atravessada pelos defeitos e qualidades de um homem claramente dominador e de filhos centrados em diferentes interesses. "Orlando", por abordar e problematizar, ficcionalmente, as diferentes facetas de um ser múltiplo e complexo como o de Orlando.

E, claro, "As ondas", pelo tom e estilo poético com que são narradas as vidas e os dilemas de seis pessoas, tão diferentes entre si como podem ser as vidas de qualquer par de seres humanos escolhidos ao acaso. Somos todos iguais. Somos todos diferentes. Nenhuma consciência é igual a outra. Os seis personagens, três mulheres e três homens, se expressam num estilo elevado, sofisticado, formal. Além disso, o texto é, com exceção dos interlúdios, todo ele, elíptico, conciso, misterioso. Se acompanharmos o texto do romance pela leitura dos rascunhos que foram preservados, perceberemos que Virginia simplesmente cortou todas as conexões que poderiam tornar o texto mais compreensível. Ou seja: virem-se!

(foto: Autêntica/Divulgação)
(foto: Autêntica/Divulgação)
“AS ONDAS”
Virginia Woolf
Tradução de Tomaz Tadeu
Editora Autêntica
256 páginas
R$ 69,80. E-book: R$ 48.90


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade