Publicidade

Estado de Minas LITERATURA

Virginia Woolf: êxito nas vendagens confirma o fascínio pela escritora

Precursora do movimento feminista, autora também é cultuada pela elegância e sensibilidade na escrita


13/08/2021 06:00 - atualizado 13/08/2021 07:31

“Quem era eu, então?”, pergunta-se a escritora inglesa Virginia Woolf (1882-1941) ao final da vida, ao de debruçar sobre as suas memórias, obra recém-lançada pela primeira vez em português, sob o título “Um esboço do passado”(Nós). Considerada precursora do movimento feminista, ela registra as suas ideias sobre a emancipação feminina em dois importantes livros de ensaios, “A room of one’s own (1929) - “Um quarto só seu”(L&PM, 2019) - e Three Guineas (1938) - “Três guinéus”(Autêntica, 2019). Virginia Woolf é também cultuada pela elegância e sensibilidade com que propaga a narrativa do fluxo de consciência. A ação oscila entre o interior e o exterior da personagem, em flashbacks, epifanias e narrativas entrecruzadas entre uma personagem e outra, tornando-se, ao lado do irlandês James Joyce, em um farol do modernismo.

Desde os nove anos, quando começou a escrever um jornal caseiro para a família, Virginia entrega-se à escrita. A diversidade de sua obra é impressionante e a produção ininterrupta, entre colapsos nervosos ou perturbações psicológicas, a inspira a construir a personagem Septimus Warren Smith em um de seus romances mais conhecidos, “Mrs Dalloway”(1925). Atribui-lhe alucinações - vozes, passarinhos cantando em grego, pessoas surgindo entre as árvores -, que ela própria sofria.

Septimus não é, contudo, a única personagem desse romance criada a partir das vivências da autora. Quase cem anos depois de sua publicação, foi precisamente a pandemia que encerrou pessoas dentro de casa ao longo de 2020, que trouxe à baila outra particularidade da obra, iniciada com a frase lacônica: “Mrs Dalloway disse que ela mesma ia comprar as flores.”

A socialite Clarissa Dalloway, que ainda hoje é homenageada em diversos países com o Dalloway Day, - data em que se discute a obra de Virginia Woolf - exulta em alegria incontida, por ela mesma se encarregar dessa simples tarefa. Por quê? Eis a pergunta que em meio aos lockdowns, transbordou em hashtags pelo twitter entre falantes da língua inglesa. Embora a gripe espanhola nunca seja mencionada diretamente no romance, a professora de literatura Elizabeth Outka, em seu livro “Viral Modernism: The Influenza Pandemic and Interwar Literature” avalia que esta seja evocada na obra de diversas formas sutis.

É assim que é quase certo que Mrs Dalloway, recuperada da gripe espanhola, reúne-se aos vivos, enquanto a memória dos mortos paira sob o badalar do Big Ben. Outka considera que, entre sobreviventes, o toque dos sinos é um dos fenômenos mais associados à pandemia da gripe espanhola na Inglaterra. Tendo a própria Woolf contraído e sofrido a doença, apresenta Clarissa Dalloway como se vê, uma sobrevivente.

“Mrs Dalloway”é publicado simultaneamente na Inglaterra pela Hogart Press, editora fundada por Virginia e seu marido Leonard Woolf - e nos Estados Unidos (Harcourt, Brace & Co.). Antes desse romance, a editora do casal lançaria “A viagem”(1915), o primeiro de Virginia Woolf; seguido por “Noite e dia”(1919) e “O quarto de Jacob”(1922). Outros cinco foram lançados depois de Mrs Dalloway: “Ao farol”(1927); “Orlando” (1928), este inspirado em sua paixão pela escritora Vita Sackville-West, a quem conhece em 1922 e vive um grande amor; “As ondas”(1931); “Os anos”(1937); e “Entre os atos”, publicado postumamente em 1941. Todos os romances de Virginia Woolf estão traduzidos em língua portuguesa e foram lançados recentemente no Brasil pela Autêntica.

A Europa em guerra e a Inglaterra sob intenso bombardeio alemão representavam ameaça particular ao casal Woolf - Leonard é judeu. Virginia, que já pressentia novo colapso emocional, planeja o seu suicídio - opção que chegou a ser discutida caso a Alemanha invadisse a Inglaterra. Em 28 de março de 1941, Virginia deixa a sua casa de campo - Monk’s House, Rodmell - e um bilhete para o marido: “Estou certa de que estou enlouquecendo outra vez.

Sinto que não podemos sobreviver outro daqueles terríveis períodos. E não me recobraria desta vez. Começo a ouvir vozes, e não consigo me concentrar. Assim, estou fazendo o que parece a melhor coisa. Você me deu a maior felicidade possível (...)”. Ela enche os bolsos do casaco de pedras e se lança ao rio Ouse. As cinzas de Virginia estão enterradas sob um dos dois olmos que o casal batizou de “Leonard”e “Virginia”, no jardim da Monk’s House. Uma tabuleta, indica uma citação da autora ao final do romance “As ondas”: “Contra ti me arremeto, invencível e inquebrantável, ó Morte!”

Considerada uma das maiores escritoras do século 20, Virginia Woolf pensou a mulher do ponto de vista social, político e existencial. Nos anos 70, ressurge com a força de conferências ministradas por ela em 1928 nas duas únicas faculdades da Cambridge University à época dedicadas à educação feminina, a Newnham e a Girton.

Nelas, Virginia aborda de forma magnífica a discriminação da mulher na literatura e na sociedade, e constituem a gênese do texto “Um quarto só seu”(1929). Dele, salta a afirmação, que a leva a cobrar também das mulheres a responsabilidade por sua emancipação, à medida em que devam legar às suas filhas condições para serem o que quiserem: “Uma mulher deve ter dinheiro e um teto todo seu se ela quiser escrever ficção”.

A obra de Virginia Woolf é vasta e diversa, rica em ensaios, biografias e artigos, muitos dos quais ainda não traduzidos para o português. Desperta interesse em todo o mundo, sendo pesquisada em todos os continentes. “Ela continua mais do que nunca atual, porque extrapola o seu momento histórico e fala de coisas muito humanas, que perduram: a pulsão e a luta pela vida, o que está além de ser homem, mulher, de gênero e de nacionalidades. Trata-se de ser humano”, afirma a doutora em literatura Ana Carolina Mesquita, que neste momento traduz o último volume de “Diários”. “Além disso, escreve de forma extremamente bela, emocionante: isso faz um clássico”, resume a tradutora.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade