Publicidade

Estado de Minas Sustentabilidade

Corredor ecológico: projeto aumentará preservação na Serra da Moeda

Criação de corredor ecológico permanente unirá o Monumento Natural Estadual Serra da Moeda à Estação Ecológica Estadual de Arêdes


Gerdau
Conteúdo patrocinado
Gerdau
postado em 21/11/2021 06:00

Corredor ecológico
(foto: Gerdau/Divulgação)

 
O Monumento Natural Estadual da Serra da Moeda foi criado em setembro de 2010 e, além de contribuir para a biodiversidade, é parte importante da vida da comunidade local, bem como de turistas que visitam a região, diariamente. 

A preservação deste Monumento é unanimidade e, justamente com o objetivo de conservá-lo, a Gerdau doará áreas de elevado valor ambiental na extensão total de 75,28 hectares, que irão compor e ampliar a unidade de conservação do Monumento, como contrapartida à continuidade da operação da Mina de Várzea do Lopes. 

Essa ampliação do Monumento em uma área equivalente a mais de 62 campos de futebol (62,47 hectares) também formará um corredor ecológico permanente entre o Monumento e a Estação Ecológica Estadual do Arêdes, contribuindo ainda mais com a preservação da fauna e da flora. Além disto, toda a área hoje utilizada para a operação da empresa, ao ser recuperada, será incorporada ao Monumento, ampliando a área total em mais 139 hectares.

E o que é um corredor ecológico?


Um corredor ecológico é, geralmente, formado por áreas que unem os fragmentos florestais ou unidades de conservação separados por alguma interferência externa. Tem o objetivo de permitir o livre deslocamento de animais, a dispersão de sementes e o aumento da cobertura vegetal. Frequentemente, a área criada concilia a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento ambiental na região.

“A criação do corredor ecológico tem grande importância para toda a região. Primeiro, porque tecnicamente a área a ser incorporada ao corredor possui um alto valor ambiental e é rica em biodiversidade - sendo superior à área a ser utilizada pelo projeto de continuidade. O espaço a ser preservado por meio do corredor ecológico é repleto de cavernas e importante área de recarga. O córrego do Silva, principal referência hídrica da região, por exemplo, corre por ali”, Wilfred Brandt, especialista em recursos hídricos e proprietário da consultoria Brandt Meio Ambiente.  

Além disso, o córrego do Lopes é um dos afluentes do ribeirão Silva, que por sua vez se conecta com a Estação Ecológica Estadual de Arêdes por meio do córrego da Grota e do ribeirão Arêdes, afluentes na margem esquerda do ribeirão do Silva. Tais cursos d’água e sua vegetação associada apresentam, portanto, alto potencial como  corredor ecológico entre as duas Unidades de Conservação.  

A Estação Ecológica Estadual de Arêdes foi criada em 2010 para proteção da flora, fauna, recursos hídricos, além da promoção de pesquisas científicas e proteção do patrimônio arqueológico. Possui mais de 1.100 hectares e fica localizada na cidade de Itabirito. Além das belezas e riquezas naturais, na Estação está o conjunto de ruínas das fazendas Arêdes e Águas Quentes (casa sede, senzala, capela e curral de pedras), que estão integralmente preservadas. 

Já o Monumento Natural Estadual da Serra da Moeda, formado em 2010, integra os municípios de Moeda e Itabirito e possui cerca de 2.372 hectares. Essa área possui importante patrimônio espeleológico, biológico e hidrológico, que permanecerá preservado. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade