UAI
Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Empresário dá golpe na própria noiva; prejuízo supera R$ 1 milhão

Homem é acusado de estelionato sentimental e crime de stalking. Polícia investiga o caso como enquadrado na Lei Maria da Penha


03/12/2021 10:39 - atualizado 03/12/2021 14:26

Em meio aos preparativos para o casamento, o homem convenceu a noiva a investir no mercado financeiro, mas ficou com o dinheiro da vítima
Em meio aos preparativos para o casamento, o homem convenceu a noiva a investir no mercado financeiro, mas ficou com o dinheiro da vítima (foto: reprodução/Instagram)
Um empresário, de 35 anos, é investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por estelionato sentimental e crime de stalking. O homem é suspeito de se apropriar da herança recebida pela noiva, a personal trainer Carolina Mainardi, 37, e aplicar uma série de golpes financeiros contra ela. O caso é investigado pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) e está sendo enquadrado na Lei Maria da Penha.

O crime ocorreu em 2019, mas a vítima decidiu procurar a polícia na última terça-feira (30/11). De acordo com a PCDF, o empresário convenceu a vítima a entregar mais de R$ 1 milhão de uma herança que ela havia recebido, para que ele fizesse aplicações no mercado financeiro. Carolina também contraiu empréstimos bancários, nos valores de R$ 60 e R$ 90 mil, para ajudar o então noivo a abrir o próprio negócio. 

Ao Correio, Carolina contou que se relacionava há cinco anos com o empresário, quando ele surgiu com a ideia de investir o dinheiro da noiva. "Ele me falava que o dinheiro estava seguro sendo investido, e eu acreditava. Quando via as informações de que uma determinada ação havia subido, eu perguntava se tinha dinheiro meu nessa ação e ele me mostrava os dados, dizendo que tinha", recorda.

Entretanto, em março daquele ano, Carolina precisou resgatar parte do investimento. "O dinheiro ia cair na conta, mas quando chegou a data prevista, comecei a ligar para a empresa e, poucos dias antes, ele disse que tinha que ir a Nova York resolver algo. Pegou o meu cartão e viajou, quando a bomba estourou, já não estava lá", explica.

A personal relata que, ao checar a conta bancária, viu que ela estava negativada. "Por insistência dele, eu dei o dinheiro acreditando que ele faria um bom negócio", afirma. "Algumas pessoas julgam, perguntam como eu confiei, porque dei o dinheiro, mas eu estava noiva, estávamos resolvendo as coisas para o casamento. Então, eu confiava plenamente nele", complementa.

A personal acusa o empresário de violência psicológica, uma vez que ele controlava a vida dela pelo celular. "Ele quebrou meu aparelho e depois me deu outro. Não sei o que tinha, mas através do meu telefone, ele conseguia fazer controle de todos os meus passos, ter acesso a e-mails e contas", recorda Carolina.

Confissão de dívida


Carolina diz que o empresário atualmente mora no Rio de Janeiro, onde é dono de uma empresa. Nos últimos dois anos, eles chegaram a conversar e o empresário assinou uma confissão de dívida, em que se comprometia a pagar tudo o que devia. Por isso, a personal trainer demorou a denunciar o caso à polícia.

"Ele começou a pagar, mas depois parou. Eu mandava mensagem só pra cobrar o dinheiro, eu contava com a boa vontade dele para não ter um prejuízo maior. Até que teve uma hora que esgotei, porque os empréstimos continuam a ser debitados da minha conta", desabafa.

De acordo com ela, o empréstimo de R$ 60 mil já foi quitado, mas o R$ 90 mil ainda está pendente. Para a personal trainer, o episódio deve servir como alerta a outras mulheres.

"Quando você toma esse golpe, fica sem chão. É uma pessoa em quem você confia, que você põe dentro da sua casa, com o seu filho dentro", diz. "Ele chegou a fazer uma carta dizendo que ia se suicidar para eu ficar com o dinheiro da apólice. Fez chantagens emocionais. Então, espero que isso sirva de alerta para outras mulheres", completa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade