UAI
Publicidade

Estado de Minas MORTES

Brasil teve maior alta de mortes desde 1984 com a pandemia, aponta IBGE

As mortes no país cresceram 14,9% em relação aos números de 2019


18/11/2021 10:19 - atualizado 18/11/2021 10:47

População de Belo Horizonte andando na feira da Afonso Pena
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A pandemia de COVID-19 fez o Brasil registrar em 2020 o maior crescimento anual de mortes desde 1984, revelam as Estatísticas do Registro Civil 2020, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgadas na manhã desta quinta-feira (18/11). Os óbitos cresceram 14,9% sobre os números de 2019. Já os nascimentos tiveram queda de 4,7% no mesmo período.

O levantamento do IBGE revelou também que o número de casamentos teve, entre 2019 e 2020, uma queda histórica, de 26,1%. Foi a maior redução desde o início da divulgação dessas estatísticas de registro civil, em 1974. Tradicionalmente, o número de divórcios também é divulgado como parte das estatísticas. No entanto, por causa da pandemia, não foi possível coletar a tempo esses registros. Por isso, sua apresentação foi adiada.

"Olhando para a série histórica, nunca tínhamos registrado alterações tão importantes de um ano para o outro", afirmou a gerente da pesquisa, Klívia Brayner.

No ano passado, o Brasil registrou 1.513.575 mortes, 195.965 a mais do que em 2019. Tanto porcentualmente (14,9%) quanto em números absolutos, foi a maior alta em 37 anos, segundo o IBGE. Todas as regiões do País registraram aumentos. Os maiores foram no Norte (25,9%) e no Centro-Oeste (20,4%). O Nordeste também teve alta superior à média (16,8%), seguido pelo Sudeste (14,3%) e o Sul (7,5%).

Embora a pesquisa não registre as causas diretas das mortes, o impacto da pandemia é claro. Dentre os óbitos extras ocorridos no ano passado, 99,2% foram por causas naturais. A maioria ocorreu entre os maiores de 60 anos, a faixa etária mais vulnerável à covid. O trabalho mostra ainda que 73,5% das mortes aconteceram em hospitais.

"O IBGE não registra a causa da morte, mas olhando os registros do SUS, verificamos que as doenças infecciosas, que normalmente aparecem em sétimo ou oitavo lugar como causa das mortes, no ano passado surgiram em segundo, abaixo apenas das doenças do aparelho circulatório", explicou Klívia.

A queda do número de nascimentos entre 2019 e 2020, segundo os pesquisadores do IBGE, é expressiva, embora seja mais difícil de ser relacionada diretamente à pandemia. De acordo com o levantamento, o número pode estar revelando atraso nos registros por causa do isolamento social, das restrições da mobilidade e do fechamento dos cartórios.

Uma queda maior do que esta foi registrada entre 2015 e 2016, atribuída à epidemia de zika. Essa doença teve impacto específico sobre as gestantes, uma vez que o vírus poderia provocar o nascimento de crianças com microcefalia. Na ocasião, o recuo chegou a 10% em Pernambuco, o estado mais afetado pela doença.

No caso dos casamentos, a queda dos registros foi a maior da série histórica: de 1.024.676 em 2019 para 757.179 no ano passado. A redução foi igualmente registrada em todas as regiões do País. Teve mais intensidade no Nordeste (27,8%), no Centro-Oeste (27,7%) e no Sudeste (27,3%). Segundo os pesquisadores, ligeiras quedas nos números de união vêm ocorrendo desde 2016. A ocorrida no ano passado, muito maior, estaria ligada ao isolamento social em decorrência da pandemia, afirmam.

"Muita gente evitou as cerimônias, por mais simples que fossem, por conta das aglomerações", constatou Klívia. "Foi um efeito direto da epidemia."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade