UAI
Publicidade

Estado de Minas FEMINICÍDIO

Homem tentou concretar corpo de mulher na parede antes de carbonizá-la

Assassinato brutal teve um desfecho após investigadores colherem imagens do circuito interno de segurança das redondezas do Conjunto 1 do Recanto das Emas


21/10/2021 14:50

Investigação mostra parede quebrada por assassino
Assassino tentou esconder corpo dentro de parede, mas desistiu e colocou fogo na vítima (foto: Material cedido ao Correio)
Antes de carbonizar o corpo de Luciana Regina de Faria, de 46 anos, o suspeito de ter cometido o feminicídio , um homem de 36 anos, tentou encaixotar a mulher usando cimento . Vídeos e fotos exclusivos obtidos pelo Correio e pela TV Brasília mostram os utensílios utilizados pelo autor e os rastros deixados por ele.

O assassinato brutal teve um desfecho após investigadores da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas) colherem imagens do circuito interno de segurança das redondezas. As filmagens foram cruciais para o andamento das diligências e mostram o momento em que o suspeito arrasta o corpo de Luciana no meio da rua. O cadáver foi carbonizado pouco tempo depois, próximo ao Fórum da cidade.
Vídeos feitos no próprio apartamento do autor, no Conjunto 11 do Recanto das Emas, evidenciam um cenário de guerra. Há manchas de sangue e pedaços de concretos por todos os cômodos. A suspeita é de que o agressor tenha tentando encaixotar o corpo de Luciana na parede, mas pelo peso, não conseguiu. O homem, que não teve a identidade revelada, mora a poucos metros da casa da família da vítima e trabalha como pedreiro.

Macabro

As filmagens revelam que, no dia 10 de setembro, às 7h30, o pedreiro arrasta um saco grande e envolto em um cobertor. Dentro dele estava o corpo de Luciana. No vídeo, não é possível ver a movimentação de pedestres.

Assassino arrasta corpo de mulher no Recanto das Emas, no Distrito Federal
Cadáver foi encontrado carbonizado perto do Fórum do Recanto das Emas (foto: Material cedido ao Correio)
A Justiça deferiu o mandado de prisão temporária contra o suspeito e investigadores da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas) cumpriram a decisão na segunda-feira. "O autor morava no Conjunto 11, e a vítima, no Conjunto 10. A partir das imagens, conseguimos a identificação. Constatamos que ele estava se abrigando em um albergue e tinha dado entrada na solicitação para comprar uma passagem com destino à Bahia para fugir do DF", detalhou o delegado-chefe da 27ª DP, Pablo Aguiar.

A reportagem apurou, ainda, que Luciana foi encontrada com as mãos amarradas, segundo constatação da perícia. Preso, o suspeito contou versões contraditórias do caso e negou o feminicídio. Ao ser questionado sobre o que estaria no saco em que ele arrastava, o homem alegou que eram roupas, hipótese descartada pela polícia.

Medo de homens

Ao Correio, Juliana Faria, 30, irmã de Luciana, conta que a irmã morava com ela e com a mãe e, pelo diagnóstico de esquizofrenia, recebia muita atenção e cuidado. Os familiares e vizinhos estão estarrecidos com o que houve e procuram respostas. "Minha irmã só rezava. Todos a conheciam, ela só ia para a igreja e tinha pavor de homem. Com certeza, ele a pegou quando ela estava indo na vizinha. Não consigo ter explicações para isso, só queremos que a justiça seja feita", desabafou.

Juliana afirmou que não conhecia o suspeito que nunca o havia visto nem mesmo de vista pelas redondezas de onde morava. "Quando fomos atrás para saber quem era, soubemos que ele trabalhava nas redondezas. Mas nunca tinha visto ou conversado", disse.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade