Publicidade

Estado de Minas IMUNIZAÇÃO

Nova remessa da vacina de Oxford só chegará aos postos em meados de março

Em março, Ministério da Saúde receberá 1 milhão de doses da vacina. Em larga escala para a imunização, apenas a partir de abril


05/02/2021 18:48 - atualizado 05/02/2021 18:58

Primeiro lote com 88 litros do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que chegará ao país neste sábado, será capaz de gerar 2,8 milhões de doses(foto: Oli Scarff/AFP)
Primeiro lote com 88 litros do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que chegará ao país neste sábado, será capaz de gerar 2,8 milhões de doses (foto: Oli Scarff/AFP)

Mesmo com a chegada da matéria-prima necessária para o início da produção da Covishield, conhecida popularmente como vacina de Oxford/AstraZeneca, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a instituição só conseguirá entregar 1 milhão de doses do imunizante ao Ministério da Saúde em meados de março.

Somente a partir de abril é que o laboratório Bio-Manguinhos conseguirá fornecer vacina em grande escala ao Programa Nacional de Imunização (PNI). As informações foram confirmadas durante coletiva de imprensa da Fiocruz, nesta sexta-feira (5/2).

O primeiro lote dos insumos com 88 litros do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que chegará ao país neste sábado (6), será capaz de gerar 2,8 milhões de doses.

O acordo prevê que, todos os meses, a AstraZeneca envie matéria-prima suficiente para produção de 15 milhões de unidades.

Para completar a programação, em fevereiro, a Fiocruz ainda receberá duas remessas. No entanto, como é necessário que haja uma validação das doses finalizadas no Brasil, a maior parte do IFA que chegará até o fim do mês só estará disponível nos postos de vacinação em abril.

"Temos um lote de pré-validação primeiro, pequeno. Depois, três lotes de validação. Ou seja, esse insumo que vamos receber é suficiente para fazer essas validações. Os demais lotes que chegarem em fevereiro serão produzidos só em março, depois dos lotes de validação", explica o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma Medeiros.

Novo aval


Até o momento, a Fiocruz entregou 2 milhões de doses da Covishield ao Programa Nacional de Imunização (PNI). Todas vieram prontas da Índia e o uso emergencial foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A permissão não serve para os fármacos que serão envasados no Brasil e, por isso, cabe à agência emitir um novo aval.

"Se pudermos antecipar, anteciparemos. Tudo isso depende do acerto dos procedimentos e de como será o processo inicial de validação junto à Anvisa", disse a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade.

Além da produção a partir da importação do IFA, a Fiocruz se prepara para iniciar a fabricação do zero no Brasil.

As primeiras doses 100% nacionais devem começar a ser geradas em abril, para avaliação, mas só estarão preparadas para distribuição no segundo semestre de 2021, conforme previsão da fundação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade