Publicidade

Estado de Minas COLAPSO

Pazuello afirma que crise no Amazonas foi 'situação desconhecida'

Ministro relatou que 'salto muito rápido' de contaminações dificultou combate ao vírus em Manaus


26/01/2021 15:07 - atualizado 26/01/2021 16:15

Pazuello está sendo investigado no STF pela atuação no colapso de saúde na capital do Amazonas(foto: Evaristo Sá/AFP)
Pazuello está sendo investigado no STF pela atuação no colapso de saúde na capital do Amazonas (foto: Evaristo Sá/AFP)
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta terça-feira, 26, que o aumento de contaminações e internações pela COVID-19 em Manaus (AM) foi "uma situação completamente desconhecida para todo mundo". Investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) pela atuação no colapso de saúde na capital do Amazonas, Pazuello voltou a afirmar que agiu para amenizar a crise e que o papel do ministério é somente de "apoio".

"Tivemos salto da contaminação, triplicando o número de contaminados. Foi uma situação completamente desconhecida para todo mundo. Foi muito rápido", disse o ministro, em evento para inauguração de reabertura do hospital Nilton Lins, em Manaus, que teve a capacidade de atendimento ampliada.

Pazuello apontou a variante da COVID-19 encontrada em Manaus como uma possível causa para o aumento das contaminações. Ele disse que a nova cepa está sendo estudada no Brasil e pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

"Mandamos todo o material coletado para Inglaterra para que tenha posição exata sobre grau de contaminação e agressividade da nova cepa. Tendência é que contamina mais, mas com grau de agressividade semelhante à anterior. Mas é no número de contaminados, na propagação, que faz a diferença", disse o ministro.

Pazuello afirmou que o fornecimento de oxigênio para o Amazonas foi "equalizado". Disse ainda que mais de 300 pacientes foram transferidos a outros Estados. "O objetivo é chegar a em torno de 1,5 mil pessoas removidas", disse.

O general voltou no último sábado a Manaus, na semana seguinte a uma passagem pela cidade que ficou marcada pela pressão pelo uso de medicamentos sem eficácia contra a COVID-19, como a cloroquina. O ministério afirma que Pazuello não tem data para deixar a cidade.

A postura de Pazuello e de sua equipe na cidade levou a Procuradoria da República no Amazonas a abrir inquérito civil para apurar se houve falha no apoio ao Estado, que entrou em colapso, e opção por indicação de "tratamento precoce com eficácia questionada".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade