Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Ministério da Saúde: 'Temos 80 milhões de seringas para iniciar vacinação'

Pasta reafirma que vacinação será simultânea nos 26 estados e no Distrito Federal, depois de aprovação do pedido emergencial feito pelos laboratórios à Anvisa


13/01/2021 19:41 - atualizado 13/01/2021 20:11

Secretário Elcio Franco garante que Brasil não terá problemas para começar vacinação(foto: Reprodução/TV Brasil)
Secretário Elcio Franco garante que Brasil não terá problemas para começar vacinação (foto: Reprodução/TV Brasil)

Ao fazer o balanço da entrega de insumos para o combate ao novo coronavírus, o Ministério da Saúde assegurou não haver risco em relação a eventual falta de seringas e agulhas para o início da vacinação – prevista para ser iniciada em 20 de janeiro, conforme foi anunciado pelo ministro Eduardo Pazuello.

O total de unidades necessárias para o começo da imunização seria de 80 milhões, segundo o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems). 

“Para tranquilizar a população brasileira, o país é um dos principais produtores de seringas. A produção anual é de 1,5 bilhão de unidades, que atende ao mercado interno e externo”, afirma o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco.
 
Ele disse que não há qualquer risco de o Brasil atrasar a vacinação por causa da falta de insumos: “Nosso único inimigo do Brasil é a COVID-19. Todos estamos unidos. Agradeço aos colaboradores, às empresas de transporte aéreo, que fazem o transporte gratuito das vacinas no território nacional”.

Elcio Franco disse também que depende do aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que as vacinas cheguem finalmente aos estados.

órgão decidirá no domingo se aprovará o uso emergencial dos imunizantes da AstraZeneca/Oxford e Coronavac/Butantan. “Se a Anvisa aprovar a vacina no domingo, a partir de segunda vamos começar a distribuição dos imunizantes às capitais. A partir daí, o material é loteado e conforme o planejamento e transportado aos municípios”, disse o secretário, que reforçou que a pasta vai respeitar o limite de tempo de 16 meses para a vacinação. 

“Da mesma forma que a quantidade de doses será escalonada conforme a produção ou aquisições que o Ministério da Saúde venha a fazer, o número de seringas será proporcional. Cabe destacar, temos um estoque inicial disponível por estados e municípios. Vamos conseguir atender nossa necessidade sem interferir no abastecimento”, acrescentou o secretário. 
 

Pregão 

 
A pasta informou que a audiência pública com entidades do setor produtivo para saber a capacidade de fornecimento do mercado de seringas e agulhas ocorreu em 20 de agosto.

Em 16 de setembro, houve a abertura do processo administrativo (pregão) para aquisição de 331 milhões de unidades, conforme o melhor preço no mercado.

“Precisamos da aprovação da Anvisa e estamos aguardando a aprovação emergencial das duas vacinas que foram solicitadas do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz/Oxford. São vacinas importadas, com 6 milhões de doses da China e 2 milhões da AstraZeneca. Ambas serão transportadas. Há também uma diretriz, de que iremos iniciar a vacinação nos 26 estados e no Distrito Federal. A vacina contra a COVID-19 chegará por igual aos 5.570 municípios, primeiramente nas capitais”, diz Élcio Franco. "Nenhum brasileiro ficará para trás", afirmou o secretário.
 

Cloroquina 


O Ministério da Saúde afirmou que até agora foram investidos R$ 27 bilhões em ações de enfretamento à pandemia, seja em insumos e medicamentos.

Foram distribuídas 5,8 milhões de unidades de cloroquina, 458 mil de hidroxicloroquina 458 mil e 21,6 de Oseltamivir (antiviral da influenza) 1,7 milhão para Minas Gerais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade