Publicidade

Estado de Minas TRATAMENTO PRECOCE

COVID-19: após defender eficácia, governo federal desiste de vermífugo

Ministério da Saúde não incluiu a nitazoxanida, conhecida por Annita, na lista de medicamentos fornecidos para o tratamento da doença decorrente do coronavírus


12/01/2021 16:19 - atualizado 12/01/2021 18:50

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, entusiasta do uso da nitazoxanida no tratamento precoce da COVID-19(foto: Carolina Antunes/Agência Brasil)
Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, entusiasta do uso da nitazoxanida no tratamento precoce da COVID-19 (foto: Carolina Antunes/Agência Brasil)
Embora tenha anunciado a eficácia da nitazoxanida no tratamento da COVID-19, o governo federal não incorporou o vermífugo conhecido como Annita na lista de medicamentos fornecidos pelo governo federal para combater a doença. A informação consta em resposta da Ministério da Saúde à Câmara dos Deputados, após pedido feito pela bancada do Psol.

 

“A Nitazoxanida não consta nas orientações deste Ministério da Saúde para o tratamento da Covid-19, e também não se encontra incluída na Relação Nacional de Medicamentos – RENAME 2020, de forma que esse medicamento não é adquirido ou financiado com recursos federais do SUS”, informa o Ministério da Saúde.

 

Em outubro, o vermífugo foi anunciado pelo governo federal como eficiente no tratamento precoce de pacientes infectados com o novo coronavírus. O anúncio foi feito em cerimônia no Palácio do Planalto com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Marcos Pontes, entusiasta do uso da nitazoxanida no país.

 

Vermífugo foi anunciado pelo governo como eficiente no tratamento precoce de pacientes infectados pelo coronavírus(foto: Reprodução)
Vermífugo foi anunciado pelo governo como eficiente no tratamento precoce de pacientes infectados pelo coronavírus (foto: Reprodução)
Na ocasião, Pontes apresentou um estudo preliminar financiado por sua pasta que concluiu que o medicamento reduzia a carga viral em pacientes com COVID-19, mas que não era eficaz contra os sintomas da doença ao fim do tratamento e nem capaz de evitar complicações.

 

Apesar da exclusão do antiparasitário do rol dos medicamentos fornecidos pela pasta da Saúde, o MCTI publicou no Twitter em 5 de janeiro um vídeo em que um infectologista promove o medicamento. Na publicação, o ministério comandado por Pontes fala em “sucesso” da nitazoxanida, a que chama de “antiviral”.

 

 

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não aconselha tratamento farmacológico precoce para pacientes com COVID-19 e adverte que estudos clínicos não mostraram, até o momento, benefícios dos medicamentos que vêm sendo afiançados pelo Ministério da Saúde. A sociedade médica é enfática ao defender que não existe comprovação científica de que há medicamentos eficazes contra a COVID-19 e ressalta que essa cautela está alinhada com importantes e respeitados organismos sanitários nacionais e internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

*estagiário sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade