Publicidade

Estado de Minas SISU 2019

Em decisão inédita, USP expulsa aluno por fraude em cotas raciais e sociais

Estudante de relações internacionais alegou ser pardo e de baixa renda, porém não conseguiu comprovar as declarações


postado em 13/07/2020 15:29 / atualizado em 13/07/2020 16:36

Após um ano de processo, a universidade decidiu expulsar o aluno (foto: Reprodução USP )
Após um ano de processo, a universidade decidiu expulsar o aluno (foto: Reprodução USP )
Em decisão inédita, a Universidade de São Paulo (USP) expulsou um aluno do curso de relações internacionais, nesta sexta-feira (13), sob alegação de fraude nas cotas raciais e sociais. Após um ano de processo, este é o primeiro julgamento por fraude da universidade em 193 anos de existência. 

O Coletivo de Negros e Negras do Instituto de Relações Internacionais da USP foi responsável pela denúncia. O grupo coletou imagens do aluno em redes sociais para comprovar a acusação. 
O estudante se autodeclarou como pardo e afirmou ter ascendência negra(foto: Reprodução redes sociais)
O estudante se autodeclarou como pardo e afirmou ter ascendência negra (foto: Reprodução redes sociais)

Conforme a Folha de S.Paulo, Braz Cardoso Neto, alegou, no processo seletivo do Sisu 2019, ser pardo, descendente de negros e ter baixa renda. Entretanto, o estudante não conseguiu comprovar as declarações. 

Braz teria mostrado à comissão responsável pelo julgamento fotos de pessoas negras alegando serem seus avós. Porém, o aluno não conseguiu provar o parentesco. Além disso, ascendência não é critério para inclusão, somente o fenótipo (aparência física).

Ainda conforme a Folha, no relatório, a comissão afirma que somente a cor da pele não categoriza a expressão social parda e que a “antecedência negra não imputa a experiência racista do estudante”.

Além disso, o aluno alegou ter uma renda de R$ 4 mil para quatro pessoas, sendo três dependentes do valor. Entretanto, a investigação descobriu que o estudante viaja constantemente para fora do país. Em sua defesa, o aluno afirmou que a viagem aMiami foi um presente de sua mãe. 

Braz também disse à comissão que usava o transporte público para ir à faculdade. Mas os colegas de classe do estudante afirmam que ele usa um carro particular. 

Conforme informações da Folha, o aluno teve direito a defesa, porém não conseguiu comprovar a baixa renda. Além disso, o edital do Sisu de 2019 esclarece que as cotas raciais estão “associadas às demais marcas ou características que, em conjunto, atribuem ao sujeito a aparência negra” e não só a cor da pele. 

Ainda segundo o jornal, a comissão recomendou a expulsão do aluno pelas fraudes porém reconhece a autodeclaração do estudante como pardo.
 
*Estagiária sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade