Publicidade

Estado de Minas

Hopi Hari fecha as portas temporariamente ao público

Dívida do parque é de R$ 700 milhões; empresário procura investidores


postado em 12/05/2017 18:59 / atualizado em 12/05/2017 19:05

(foto: Hopi Hari/Divulgação )
(foto: Hopi Hari/Divulgação )

José Luiz Abdalla, presidente do Hopi Hari e empresário do ramo imobiliário anunciou nesta sexta-feira o fechamento do Hopi Hari para o público. Segundo o empresário, “ataques raivosos contra o parque" teriam levado Abdalla a tomar esta decisão, que segundo ele, significa apenas uma "pausa", na tentativa de atrair investidores para o retorno das atividades.

Abdalla assumiu o Hopi Hari com uma dívida de R$ 700 milhões. 


Em abril, o parque teve o fornecimento de energia cancelado por causa de uma conta de R$ 580 mil em aberto com a CPFL. Se não levantar R$ 100 mil nesta semana, o novo proprietário José Luiz Abdalla terá de devolver na segunda-feira os geradores alugados justamente para evitar o fechamento das portas.

Para piorar, desde 25 de março o Hopi Hari opera sem cobertura de seguro para acidentes com frequentadores ou eventuais danos aos equipamentos. Abdalla vem batendo na porta das seguradoras, mas não encontra uma única empresa que encare o risco do negócio, tanto do ponto de vista da segurança dos brinquedos como da capacidade de pagamento da apólice. "A gente não tem crédito na praça", reconhece o empresário.

A situação é tão crítica que até o processo de recuperação judicial, solicitado em 24 de agosto de 2016, está praticamente paralisado, já que o parque não conta com um profissional que saiba lidar com esse tipo de processo - segundo Abdalla, o último especializado, o advogado tributarista Julio Mandel, retirou-se por falta de pagamento. O empresário agora sairá em busca de investidores. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade