Publicidade

Estado de Minas

Com dívidas de R$ 700 milhões, Hopi Hari deve anunciar nesta sexta fechamento temporário

Em nota que será divulgada no final da tarde, o dono do Parque, José Luiz Abdalla, vai destacar que a paralisação é uma 'pausa para tomar fôlego e voltar com toda a força'


postado em 12/05/2017 14:30 / atualizado em 12/05/2017 14:35

(foto: Hopi Hari/Divulgação )
(foto: Hopi Hari/Divulgação )

Sem dinheiro para seguir com a operação, o parque de diversões Hopi Hari vai anunciar nesta sexta-feira, 12, que pretende fechar a portas ao público. Em nota que será divulgada no final da tarde, o dono do Parque, José Luiz Abdalla, vai destacar que a paralisação é uma "pausa para tomar fôlego e voltar com toda a força".

Por volta das 13h30 desta sexta-feira, 12, a diretoria do parque convocou uma reunião com os funcionários para anunciar a paralisação. Na nota, Abdalla reclama dos "ataques raivosos" e de "infames reportagens", em uma alusão à reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo no início da semana.

Em abril, o parque teve o fornecimento de energia cancelado por causa de uma conta de R$ 580 mil em aberto com a CPFL. Se não levantar R$ 100 mil nesta semana, o novo proprietário José Luiz Abdalla terá de devolver na segunda-feira os geradores alugados justamente para evitar o fechamento das portas.

Para piorar, desde 25 de março o Hopi Hari opera sem cobertura de seguro para acidentes com frequentadores ou eventuais danos aos equipamentos. Abdalla vem batendo na porta das seguradoras, mas não encontra uma única empresa que encare o risco do negócio, tanto do ponto de vista da segurança dos brinquedos como da capacidade de pagamento da apólice. "A gente não tem crédito na praça", reconhece o empresário.

A situação é tão crítica que até o processo de recuperação judicial, solicitado em 24 de agosto de 2016, está praticamente paralisado, já que o parque não conta com um profissional que saiba lidar com esse tipo de processo - segundo Abdalla, o último especializado, o advogado tributarista Julio Mandel, retirou-se por falta de pagamento.
 
Com tantos problemas, o público sumiu e o parque - que chegou a receber 24 mil pessoas em um único dia, no segundo semestre de 2011 - tinha 160 visitantes no sábado. No dia anterior, uma sexta-feira, foram 20 pessoas.

Alvo de uma investigação do Ministério Público, que apura relatos de que o parque, em diversos dias, conta com poucos brinquedos funcionando, apesar de vender os passaportes normalmente e sem nenhum tipo de aviso aos visitantes, a direção do Hopi Hari redobrou os avisos. Já no estacionamento, que cobra R$ 55 por carro, o funcionário de uma empresa terceirizada recomenda a atenção do cliente. "Eu peço que todo mundo vá até a placa lá fora e veja quais os brinquedos que estão parados. Uns 20% vão embora direto", diz.

Na bilheteria, que foi aberta exclusivamente para atender a reportagem, mais um aviso. "Você quer mesmo entrar? A gente está só com esses brinquedos aqui", alerta a funcionária, indicando um papel colado no balcão com 12 atrações abertas em quase 60 possíveis - 3 para o público adulto. O passaporte custa R$ 99.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade