Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura de Ribeirão Preto afasta médicos por falha no diagnóstico

Adolescente morreu depois de passar por cinco médicos que não conseguiram detectar meningite, doença de simples diagnóstico


postado em 28/05/2014 15:49 / atualizado em 28/05/2014 16:21

A Secretaria de Saúde de Ribeirão Preto afastou nesta quarta-feira, 28, os médicos envolvidos no atendimento a uma adolescente de 16 anos que acabou morrendo. Gabriela Zafra faleceu com suspeita de meningite em uma UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) após ser atendida cinco vezes em três postos da rede pública de saúde da cidade.

De acordo com o secretário Stênio Miranda, "a medida tomada é uma resposta à família e à população". A garota sofreu uma parada cardíaca e morreu na madrugada do dia 16 de maio, ocasião em que - sem que fosse pedido qualquer exame, teve seu caso sendo diagnosticado como intoxicação alimentar, virose, torcicolo e até caxumba.

Miranda diz que "o diagnóstico de meningite não é difícil, uma vez que há sintomas que se manifestam como dor de cabeça e vômito". Sem contar a investigação interna que foi aberta pela prefeitura, o caso também é apurado pela Polícia Civil, Ministério Público e Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo).

Procedimento


Na Secretaria de Saúde uma comissão apura como foi o atendimento todas as vezes em que Gabriela procurou a rede pública. Para isso, o prontuário da paciente está sendo levantado e será analisado. A morte da jovem foi objeto de protesto sexta-feira (23) na frente da prefeitura.

Questionado pelos vereadores sobre a situação do setor de saúde em Ribeirão Preto, o secretário da pasta alegou que "faltam médicos para atender à demanda de pacientes". Ele foi sabatinado por mais de duas horas na sessão desta terça-feira, 27.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade