UAI
Publicidade

Estado de Minas CHECAMOS

Não há evidências científicas sobre os benefícios da "vaporização do útero"

Uma busca por estudos que abordassem as vaporizações do útero dentro da base de dados de ciências da saúde não gerou resultados sobre seus supostos benefícios


26/10/2021 19:54 - atualizado 26/10/2021 19:54


 

Imagem com conteúdo falso divulgado em redes sociais
Capturas de tela feitas em 25 de outubro de 2021 de publicações no Facebook ( . / ) (foto: REPRODUÇÃO)
Publicações que asseguram que a chamada técnica de “vaporização do útero” ou “vaporização vaginal” ajuda a aliviar as dores menstruais e a regular o ciclo, entre outros benefícios, foram compartilhadas nas redes sociais ao menos desde 2015, com mais de 400 mil interações. Mas a prática não tem comprovação científica e, de acordo com especialistas consultados pela AFP, ainda traz riscos de infecções e queimaduras.


“Aumento da lubrificação, e vascularização do local; - aumento da fertilidade; - Reduz  de cólicas e dores do pré e pós menstrual; - Ameniza os  sintomas da menopausa; - é coadjuvante no tratamento de mioma, cistos de ovário, endometriose, entre outros problemas dessa região” , diz uma das publicações compartilhadas no Facebook , em referência aos supostos benefícios da vaporização do útero.

A lista continua: “Limpa o desconforto e memórias vividas, como abortos ou traumas sexuais, já que é no útero e o canal vaginal guardam essas memórias; - reconecta a mulher com sua criatividade e a receptividade do yin (energia feminina); -aumenta a sensibilidade, ajudando no potencial orgástico” .

Conteúdo similar foi difundido na mesma rede ( 1 , 2 ) e no Instagram ( 1 , 2 , 3 ).

De acordo com as publicações, a vaporização do útero consiste em sentar-se sem roupa íntima sobre um banco com um buraco, abaixo do qual coloca-se um recipiente com água quente misturada com ervas aromáticas. As mensagens afirmam que o vapor liberado entra no útero e traz vários benefícios. 

No TikTok, vídeos somando mais de 400 mil visualizações mostram como preparar o banho, como se sentar corretamente, qual recipiente usar e quais ervas colocar na água ( 1 , 2 , 3 ).
Imagem com conteúdo falso divulgado em redes sociais
Capturas de tela feitas em 25 de outubro de 2021 de publicações no Facebook ( . / ) (foto: REPRODUÇÃO)

Vários portais também promoveram essa prática ( 1 , 2 , 3 ), que ganhou popularidade e gerou críticas após ter sido impulsionada pela atriz norte-americana Gwyneth Paltrow no seu blog Goop em 2015.

A vaporização do útero é apresentada como “sabedoria ancestral” e “antigo tratamento” , e promovida regularmente nas redes sociais para “limpar” e “curar” o útero e o colo uterino.

O conteúdo também circulou em inglês ( 1 , 2 ), espanhol ( 1 , 2 ), francês e italiano .

Sem comprovação e sem resultados


“As vaporizações vaginais [ou do útero] não são um método que se usa na ginecologia clássica” , disse à AFP a ginecologista argentina María Elisa Moltoni , descartando que teriam algum benefício cientificamente comprovado para a saúde.

“Não há nada na literatura científica que diga que são boas ou ruins” , endossou o ginecologista Geoffroy Robin, secretário geral do Colégio Nacional de Ginecologistas e Obstetras da França (CNGOF). No entanto, recomendou aplicar o “princípio da precaução” à prática.

Sobre seus supostos benefícios, a presidente da Federação Nacional de Colégios Médicos de Ginecologia da França (FNCGM), Isabelle Héron , foi enfática: “Fazer uma mulher jovem acreditar que terá maior possibilidade de engravidar graças a um banho de vapor é mentiroso”

“É impossível” , concordou Geoffroy, acrescentando que o vapor também não causa efeito sobre a menstruação. “A regularidade dos ciclos depende da comunicação hormonal entre o cérebro e os ovários. Um banho de vapor não terá nenhum efeito sobre isso” , disse. 

No mesmo sentido, Moltoni afirmou: “Não existe evidência científica de que essas vaporizações sirvam para potenciar a fertilidade ou acelerar a recuperação depois do parto, ou que influenciem em fibromas, cistos no ovário, fraqueza da parede uterina, prolapso uterino e endometriose. Tampouco há evidências sobre seu efeito nas dores menstruais” , disse à AFP. E detalhou: “Existe evidência de que o calor pode aliviar as dores menstruais, mas o aconselhado é aplicá-lo sobre a parte baixa do abdômen com uma bolsa de água quente, por exemplo”

Uma busca por estudos que abordassem as vaporizações do útero dentro da base de dados de ciências da saúde PubMed não gerou resultados sobre seus supostos benefícios. Ao contrário, conduziu a um artigo publicado em 2017 na revista Culture, Health and Sexualtiy, chamado “Basicamente, é feitiçaria para a sua vagina: desfazendo as representações ocidentais sobre a vaporização do útero”, em que se conclui que os relatos que circulam online sobre a prática “parecem se enquadrar tanto nas construções histórico-contemporâneas dos corpos das mulheres como deficientes e repugnantes, como no discurso neoliberal e sanitarista contemporâneo em torno do sujeito em melhora constante” .

Também há um artigo acerca de uma mulher que sofreu queimaduras de segundo grau durante a prática de vaporização do útero.

Risco de infecções


Os três especialistas concordaram que, mais do que evitar ou curar infecções, essas vaporizações podem aumentar o risco de contraí-las.

As bactérias na vagina, que formam uma microbiota que protege contra infecções, “são o resultado de um equilíbrio muito sutil de temperatura e pH” , disse Robin à AFP. “Quando conhecemos esse ecossistema, podemos pensar que a exposição prolongada ao vapor de alta temperatura pode alterar esse equilíbrio”

Héron comparou o banho de vapor com as desaconselhadas duchas vaginais, que consistem em lavar o interior da vagina. Com uma mudança de temperatura, “corre-se o risco de eliminar a flora vaginal e aumentar o risco de infecções” , disse a ginecologista. 

“Está demonstrado que essas duchas não só não higienizam, mas predispõem a alterações na microbiota vaginal, que produz um maior risco de infecções e fluxo patológico” , completou Moltoni.

O AFP Checamos já verificou outras alegações que abordam a menstruação ( 1 , 2 ).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade