UAI
Publicidade

Estado de Minas LUTO

Morre Desmond Tutu, vencedor do Nobel da Paz e ativista anti-apartheid sul-africano

Ele ganhou o prêmio em 1984 por seu papel em acabar com a política de segregação racial e discriminação imposta pelo governo de minoria branca contra a maioria negra na África do Sul de 1948 a 1991.


26/12/2021 06:40 - atualizado 26/12/2021 08:12

Desmond Tutu em sua festa de 75 anos em 2006
Tutu ganhou Nobel da Paz em 1984 por seu papel em acabar com a política de segregação racial e discriminação imposta pelo governo de minoria branca contra a maioria negra na África do Sul de 1948 a 1991 (foto: Getty Images)

O arcebispo Desmond Tutu, vencedor do Prêmio Nobel da Paz que ajudou a acabar com o apartheid na África do Sul, morreu aos 90 anos.

O presidente do país, Cyril Ramaphosa, disse que a morte do clérigo marcou "outro capítulo de luto na despedida de nossa nação a uma geração de notáveis %u200B%u200Bsul-africanos".

Ele disse que o arcebispo Tutu ajudou a deixar à posteridade "uma África do Sul libertada".

Tutu foi uma das figuras mais conhecidas dentro e fora da África do Sul.


Contemporâneo do ex-presidente Nelson Mandela (1918-2013), ele foi uma das forças motrizes por trás do movimento para acabar com a política de segregação racial e discriminação imposta pelo governo de minoria branca contra a maioria negra na África do Sul de 1948 a 1991, o chamado apartheid.

Ele recebeu o prêmio Nobel em 1984 por seu papel na luta pela abolição do sistema.

A morte de Tutu ocorre poucas semanas depois da morte do último presidente da era do apartheid na África do Sul, FW de Clerk, que morreu aos 85 anos.


Tutu e Mandela
Tutu foi contemporâneo do ícone anti-apartheid Nelson Mandela (à direita) (foto: Getty Images)

O presidente Ramaphosa disse que Tutu era "um líder espiritual icônico, ativista anti-apartheid e ativista global dos direitos humanos".

Ele o descreveu como "um patriota sem igual; um líder de princípios e pragmatismo que deu sentido à compreensão bíblica de que a fé sem obras está morta".

"Um homem de intelecto extraordinário, integridade e invencibilidade contra as forças do apartheid, ele também era terno e vulnerável em sua compaixão por aqueles que sofreram opressão, injustiça e violência sob o apartheid e pessoas oprimidas ao redor do mundo."

Ordenado sacerdote em 1960, passou a servir como bispo do Lesoto de 1976-78, bispo assistente de Joanesburgo e reitor de uma paróquia em Soweto.

Em 1985, Tutu se tornou bispo de Joanesburgo e foi nomeado o primeiro arcebispo negro da Cidade do Cabo.

Ele usou seu papel de destaque para falar contra a opressão dos negros em seu país, sempre dizendo que seus motivos eram religiosos e não políticos.

Depois que Mandela se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul em 1994, Tutu foi nomeado por ele para uma Comissão de Verdade e Reconciliação criada para investigar crimes cometidos por brancos e negros durante a era do apartheid.

Ele também foi creditado por cunhar o termo Nação Arco-Íris para descrever a mistura étnica da África do Sul pós-apartheid, mas em seus últimos anos lamentou que a nação não tivesse se unido da maneira que ele sonhou.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade