Publicidade

Estado de Minas

Trump comemora crescimento econômico e Biden o acusa de espalhar coronavírus


30/10/2020 00:07 - atualizado 30/10/2020 08:40

O presidente americano, Donald Trump, e o democrata Joe Biden coincidiram pela primeira vez, nesta quinta-feira, no local de seus comícios, em Tampa, no disputado estado da Flórida. Os adversários, porém, expressaram visões opostas: Trump se vangloriou do crescimento econômico e Biden o acusou de propagar o novo coronavírus.


A cinco dias das eleições, Trump concentrou sua mensagem em proclamar o fim da crise sanitária, com advertências sobre o "socialismo" e que o país poderia se tornar uma Cuba ou Venezuela se seu adversário vencer. Biden chamou o presidente de irresponsável por sua gestão da pandemia, no dia em que o país superou 90 mil casos diários.


O presidente republicano, 74 anos, reiterou sua advertência de que, em um governo Biden, o confinamento pelo novo coronavírus impediria uma vida normal.


"Não vão lhes permitir fazer nada", disse Trump em um ambiente festivo em Tampa, na Flórida, estado que, com seus 29 votos no colégio eleitoral, costuma definir o presidente desde 1964, com uma única exceção no registro. Por isso, os candidatos correm até lá a fim de assegurar uma vitória.


Trump venceu na Flórida em 2016, mas, segundo pesquisa da NBC News/Marist publicada nesta quinta-feira, Biden tem uma vantagem sutil no estado, de 51 a 47, com margem de erro de 4,4 pontos.


Segundo estes dados, Trump lidera as preferências entre os latinos, com vantagem de 52 sobre 46. Nas eleições passadas, este grupo não o apoiou.


Mas para os simpatizantes presentes em seu comício, as pesquisas não são confiáveis.


"Não acredito nada nas pesquisas. Trump vai vencer 100%, estou certo", disse à AFP José Murgues, um comerciante colombiano de 44 anos, para quem as políticas contra o aborto do presidente são muito importantes.


Para Greg Baker, um aposentado de 60 anos, "não há outra opção do que Trump". "É eleger os Estados Unidos acima do comunismo e do socialismo", avaliou.


Esta dicotomia também está presente no discurso do presidente, que afirma que estão em jogo na eleição o "sonho americano" ou o "pesadelo do socialismo". "Nossos oponentes querem transformar os Estados Unidos em uma Cuba comunista ou em uma Venezuela socialista", afirmou.


Biden, cujos comícios respeitam as medidas de distanciamento, acusou o rival de organizar eventos "superpropagadores do vírus". "Esses eventos propagam muito mais do que o vírus. Propagam a divisão e a discórdia", declarou o democrata debaixo de chuva em Tampa, a 20 minutos do local onde Trump havia discursado horas antes.


A venezuelana Carmen Inés Schumacher, 69, que assistiu ao ato de Biden de dentro do seu carro, disse se sentir preocupada com as ações de Trump. "Todas essas pessoas que estavam ali fazem parte da minha comunidade, que não tem respeito pelos demais", lamentou a venezuelana, que faz parte do grupo de risco da Covid-19.


- 'Não se importa' com cubanos ou venezolanos -


Em um ato em Fort Lauderdale, antes de viajar para Tampa, Biden rebateu as políticas de Trump sobre Cuba e Venezuela.


"Cuba não está mais perto da liberdade e da democracia hoje do que há quatro anos", disse, reiterando sua promessa de que se for eleito, vai dar proteção migratória aos venezuelanos.


"Trump adora falar, mas não se importa com os cubanos e os venezolanos. Nem sequer lhes dá Status de Proteção Temporário (TPS) a quem foge do regime opressor de Maduro", afirmou o democrata.


O presidente republicano mantém um ritmo de campanha frenético, totalmente alheio ao coronavírus, que o levou inclusive a ficar hospitalizado. No entanto, nesta quinta-feira, seus planos de continuar fazendo campanha na Carolina do Norte foram frustrados pelo clima.


- Recuperação ou queda? -


As cifras do PIB para o terceiro trimestre, que mostraram uma recuperação espetacular com um crescimento recorde de 33,1% em projeção anual, animaram Trump.


A economia começa a se recuperar, depois que a crise induzida pela pandemia arrasou a atividade no segundo trimestre com queda do PIB de 31,4%.


Trump comemorou o índice como as cifras "maiores e melhores" da história do país. Mas para o democrata, a recuperação que está em andamento ajuda os de cima, mas deixa dezenas de milhares de famílias e pequenos negócios para trás".


As cifras mostram como a atividade e o consumo - o motor da economia americana - foram influenciadas neste período pelo pacote de estímulo de quase 3 trilhões de dólares, aprovado no Congresso. Mas desde então, essas ajudas se extinguiram e há poucas expectativas de um acordo entre democratas e republicanos ao fim da legislatura.


(foto: Frederic J. BROWN/AFP - 26/10/20)
(foto: Frederic J. BROWN/AFP - 26/10/20)

Acompanhe a apuração nos EUA

Infográfico interativo da AFP acompanha em tempo real a apuração. Votos nos centros eleitorais são contados automaticamente e, na maioria dos casos, os resultados são anunciados horas ou até minutos, após o fechamento das urnas. Mas os votos por correio, que cresceram muito acima a média este ano, implicam um processo trabalhoso, no qual cada estado tem regras próprias.


Como funcionam as eleições nos EUA?

Os 538 integrantes do chamado Colégio Eleitoral se reúnem nas respectivas capitais de seus estados a cada quatro anos após a eleição para designar o vencedor. Para vencer, um candidato à presidência deve obter a maioria absoluta dos votos do Colégio: 270. Saiba como funcionam os colégios eleitorais.

Sistema eleitoral complexo é desafio

Pandemia de COVID-19 aumentou votação pelo correio ou antecipado, o que representa um desafio técnico, humano e também legal em milhares de jurisdições. Saiba o que pode dar errado na apuração dos votos nos EUA.

Planos de governo de Trump e Biden

Confira as principais propostas de governo de Trump e Biden para os Estados Unidos e o mundo neste infográfico interativo. Separamos oito assuntos-chave para mostrar quais são os projetos dos republicanos e dos democratas.

O que muda para o Brasil?

Vitória do democrata ou do republicano terá implicações sobre o aprofundamento das relações comerciais bilaterais entre os países, sobre a política externa brasileira e o posicionamento político ideológico de Jair Bolsonaro no âmbito internacional, avaliam especialistas em política externa. Entenda o que muda para o Brasil.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade