Publicidade

Estado de Minas

Chamada de 'pirralha' por Bolsonaro, Greta Thunberg é eleita 'Pessoa do Ano' pela Time

Ambientalista sueca de 16 é a personalidade mais jovem já indicada individualmente ao título


postado em 11/12/2019 10:12 / atualizado em 11/12/2019 13:09



Um dia após ser chamada de pirralha pelo presidente Jair Bolsonaro, a ativista sueca Greta Thunberg foi eleita "Pessoa do Ano" pela revista Time. Aos 16 anos, a adolescente é a personalidade mais nova a ser indicada individualmente ao título. 

A ambientalista concorreu com nomes como a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, os manifestantes pró-democracia de Hong Kong e o presidente dos EUA, Donald Trump



Greta ganhou notoriedade por sua defesa do meio-ambiente. Em agosto de 20018, a jovem deixou de ir às aulas todas as sextas-feiras para protestar contra o aquecimento global em frente ao parlamento sueco. A manifestação solitária ganhou apoio nas redes sociais, repercutindo sob a hashtag "Fridays For Future".

Desde que iniciou os protestos, a ativista foi convidada a discursar em diversos eventos internacionais, tais como a COP24, Fórum Econômico Mundial e a Conferência do Clima da ONU. Neste último, ela acusou os líderes mundiais de terem traído sua geração pela falta de comprometimento com as ações necessárias para reverter as mudanças climáticas.

"Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias, mas eu tenho sorte. Pessoas estão sofrendo, pessoas estão morrendo, ecossistemas inteiros estão entrando em colapso. "Eu não deveria estar aqui, deveria estar na escola, do outro lado do oceano. Mas os jovens estão começando a entender a traição de vocês.", disse na ocasião. 




Pirralha

Questionado sobre o assassinato de dois indígenas da etnia guajajara no no Maranhão, o presidente Jair Bolsonaro se referiu à jovem em tom de deboche nesta terça-feira (10). "A Greta já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, disse o mandatário. 

Em resposta, a ativista incluiu a definição em seu perfil do Twitter, onde acumula 4 milhões de seguidores.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também se mostrou incomodado com as opiniões da sueca. Em setembro deste ano, ele chegou a espalhar notícias falsas envolvendo a garota. Uma delas inclui uma montagem que mostra Greta se alimentando em um trem, enquanto crianças supostamente pobres pareciam observá-la na janela do veículo. Eduardo afirmou ainda ainda que a ambientalista era financiada pelo magnata George Soros.

O presidente americano Donald Trump é outra personalidade que não poupou chacotas ao falar sobre Greta. Durante a Cúpula do Clima na ONU, ele ironizou o discruso da garota no evento. “Ela parece uma jovem muito feliz à espera de um futuro brilhante e maravilhoso”, escreveu Trump no Twitter. 

Mundo afora, a avalanche de fake news que envolve a ativista desde que ela ganhou fama é alimentada por acusações como ligação com Estado Islâmico, associação com nazitas e ser filha de satanistas. 


Publicidade