Publicidade

Estado de Minas

Apple retira aplicativos ligados a vaporizadores de sua loja virtual

Especialistas têm vinculado cigarros eletrônicos e vaporização a uma série de doenças pulmonares; 42 mortes já foram registradas este ano


postado em 15/11/2019 18:19 / atualizado em 15/11/2019 18:32

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

A Apple retirou de sua App Store todos os aplicativos relacionados a vaporizadores pelos riscos que a prática pode apresentar à saúde, no contexto de uma epidemia nos Estados Unidos que já deixou 42 mortos e quase 2.200 afetados neste ano.


"Recentemente, os especialistas dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e a Associação Americana do Coração vincularam os cigarros eletrônicos e a vaporização com uma série de doenças pulmonares e de mortes, chegando a falar de crise sanitária e de epidemia entre os jovens", explicou a Apple à AFP, confirmando uma informação do portal informativo Axios.


"Estamos de acordo e revisamos nossas regras da App Store para indicar que os aplicativos que fomentam ou facilitam o uso desses produtos não sejam permitidos", disse o grupo, que controla rigorosamente os apps para seus produtos móveis, entre eles, cerca de 900 milhões de iPhones em todo o mundo.


Ao todo, a Apple apagou 181 aplicativos, embora quem tiver baixado antes da proibição continue tendo acesso.


Na semana passada, as autoridades de saúde dos Estados Unidos anunciaram que um óleo de vitamina E aparentemente adicionado às recargas de maconha vendidas no mercado negro estaria relacionado às doenças pulmonares.


Pouco antes, o presidente Donald Trump tinha declarado sua intenção de aumentar a idade mínima para comprar cigarros eletrônicos nos Estados Unidos de 18 para 21 anos.



 


Publicidade