Publicidade

Estado de Minas

Governo alemão prepara lei para proibir a "cura gay"

Terapias são propostas principalmente por grupos religiosos radicais e alcançam cerca de mil pessoas por ano


postado em 11/06/2019 11:39 / atualizado em 11/06/2019 12:51

(foto: Flickr)
(foto: Flickr)

O ministro alemão de Saúde quer apresentar até o fim do ano um projeto de lei para proibir as supostas "terapias de conversão" da orientação sexual dos homossexuais.


"Sou partidário de proibir estas terapias. Porque a homossexualidade não é uma doença e não precisa de terapia", afirmou o ministro conservador Jens Spahn, gay declarado, em entrevista coletiva.


O ministro apresentará até o fim de 2019 um projeto de lei que será debatido no Parlamento. Em caso de aprovação, a Alemanha se unirá a Malta e a algumas regiões autônomas espanholas que proíbem as práticas.


As terapias são propostas principalmente por grupos religiosos radicais na Alemanha. Quase 1.000 pessoas participam a cada ano, de acordo com a fundação Magnus-Hirschfeld, que defende os direitos da comunidade LGBT.


"As terapias de conversão não curam, mas provocam doenças", afirmou o ministro, que citou os primeiros resultados de uma comissão criada no início do ano.


A comissão, integrada por especialistas, afirmou que acabar com as supostas conversões é "necessário em termos médicos e juridicamente possível".


Entre os depoimentos citados no relatório, uma mulher explicou que um "terapeuta" prescreveu sessões de luminoterapia e conversas de doutrinação. A paciente interrompeu o "tratamento" quando o "especialista" sugeriu eletrochoques.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade