UAI
Publicidade

Estado de Minas NORTE DE MINAS

Operadora de plano de saúde anuncia projeto para hospital em Montes Claros

Segundo Dilson de Quadros Godinho Júnior, presidente do São Lucas, objetivo é investir R$ 30 milhões na construção de um hospital com 100 leitos na cidade


05/05/2022 21:14 - atualizado 06/05/2022 00:33

Foto mostra atendimento medico em hospital de Montes Claros
São Lucas quer construir hospital em Montes Claros; investimento será de R$ 30 milhões (foto: Plano de Saúde São Lucas/divulgação)

A operadora plano de saúde São Lucas, de Montes Claros, no Norte de Minas, anunciou um projeto para a construção de um novo hospital que ajudará a resolver o déficit de leitos na cidade. A empresa, que comemora 30 anos de existência em 2022, firmou parceria com a Premium Saúde, do grupo Hapvida, um dos maiores dos segmentos médico e odontológico no Brasil.

De acordo com o diretor-presidente e financeiro do Plano São Lucas, Dilson de Quadros Godinho Júnior, o objetivo é investir R$ 30 milhões na edificação de um estabelecimento com 100 leitos em Montes Claros. A obra será viabilizada com recursos próprios e de financiamentos, além de um eventual aporte da Hapvida.

Dilson Júnior salientou que a operadora São Lucas identificou a necessidade de erguer o seu próprio hospital a partir dos procedimentos eletivos  que ficaram represados em função da pandemia do coronavírus.

“Nos pós-pandemia, percebemos uma demanda reprimida muito grande. Verificamos também que o plano de saúde precisa ter uma unidade de saúde para atender aos seus usuários e a demanda reprimida, que é muito grande”.

Em 2020, o plano de saúde São Lucas inaugurou um unidade hospitalar em Salinas, também no Norte de Minas, com capacidade para atender 60 pacientes por dia. Recentemente, o espaço recebeu melhorias como novas salas de cirurgia, equipamentos de raios-X, ultrassom e exames de endoscopia com equipe médica especializada.

 

Aumento de despesas

 

Dilson de Quadros Júnior afirmou que a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) determinou o pagamento dos testes de COVID-19 pelos planos de saúde aos seus segurados, gerando uma elevação dos pagamentos de procedimentos.

A consequência dessa normativa foi a elevação do índice de sinistralidade – percentual medido pela relação entre os gastos com os procedimentos realizados pelo beneficiário e o valor desembolsado por ele pelo plano.

Na prática, se o segurado paga ao plano de saúde R$ 500,00 por mês, e os serviços médicos custaram 450,00, significa que o índice de sinistralidade foi de 90%.

“Mas, com os pagamentos dos testes de COVID-19, chegamos ao índice de sinistralidade de quase 100% na pandemia”, destacou Dilson Júnior, lembrando que a empresa adotou uma série de medidas para melhorar a gestão e eliminar os prejuízos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade