UAI
Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÕES

PM afasta 10 responsáveis pela coordenação das aulas após tapa em aluno

Porta-voz da corporação disse que não é um procedimento comum dentro da instituição e que o vídeo foi gravado em outubro - mas só agora o comando teve ciência


24/01/2022 12:29 - atualizado 24/01/2022 12:50

Policial militar dá tapa em aluno durante treinamento na Rotam
Policial militar dá tapa em aluno durante treinamento na Rotam (foto: Reprodução/Redes sociais)
tapa desferido por um policial militar em um aluno durante treinamento no Batalhão Rotam (Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas), em Belo Horizonte, rendeu o afastamento de dez responsáveis pela coordenação e formação dos alunos, informa o comando da PM mineira nesta segunda-feira (24/1). A corporação esclareceu, ainda, que a agressão ocorreu em outubro de 2021, mas que só tomou conhecimento após a divulgação das imagens ontem.

 
"De imediato houve a determinação para a instauração de um inquérito policial militar, o que foi feito pelo comando da unidade de imediato, ainda ontem. E o procedimento já começa a apurar", esclarece a oficial.
 
Nas imagens da agressão, há diversos homens fardados e enfileirados. No canto, outro aparece com uniforme da Rotam. Um dos fardados se posiciona de frente para a fila e, então, ataca a face de um dos participantes da aula, que cai após o golpe.
 
Atenção! As imagens podem ser consideradas perturbadoras para algumas pessoas:
 
 
 
Segundo Layla, esse vídeo foi gravado em outubro do ano passado, em um curso de procedimento do Batalhão da Rotam e esse comportamento registrado não é uma atitude comum dentro da instituição. 
 
A major também esclareceu que todos no vídeo já são policiais formados e que se trata de um curso de ampliação dos procedimentos da instituição. Os dez responsáveis pela coordenação, planejamento das aulas e formação dos alunos já foram afastados das atividades de docência e um inquérito policial foi aberto. 

Os fatos serão apurados pelo inquérito e até a conclusão do procedimento, não haverá novos cursos de procedimento. Na coletiva, Layla afirmou que a previsão é de 40 a 60 dias para o encerramento das investigações. 

A instituição também esclareceu que caberá à Promotoria de Justiça avaliar a gravidade e as penalidades dos envolvidos.

Os fatos aconteceram na unidade de Batalhão da Rotam e, segundo a instituição, só tomaram conhecimento da agressão ontem (23/1), após a divulgação do vídeo nas redes sociais.

*Estagiário sob supervisão do subeditor Thiago Ricci


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade